Cidadeverde.com
Vida Saudável

Endometriose: Doença de Anitta pode causar fortes dores e levar à infertilidade

Imprimir

 

 

A endometriose é uma doença que pode acometer uma a cada 10 a 15 mulheres na idade reprodutiva. No Brasil ela atinge 6,5 milhões pessoas e se caracteriza pelo crescimento de tecidos semelhantes ao endométrio fora da cavidade uterina.

Nos últimos dias, a doença ganhou repercussão depois que a cantora Anitta afirmou ter recebido um diagnóstico e que passará por cirurgia.

Segundo a ginecologista Lia Cruz, o diagnóstico da endometriose no país pode levar até 12 anos. "No Brasil há um delay para ter esse diagnóstico. As mulheres levam entre 7 a 12 anos para descobrir a doença porque muitas vezes a dor na mulher é negligenciada. A dor não é normal”, disse.

A especialista explica que alguns dos sintomas são fortes dores em cólica durante o período menstrual (dismenorreia) e dores que chegam a ser incapacitantes.

"A dismenorreia é uma cólica que vai piorando, é progressiva e incapacitante. Com a evolução dessa dor podemos ter a dor pélvica acíclica que é também uma dor fora do período pré-menstrual e geralmente de forma evolutiva.(...) Um dos principais preditores se a mulher vai ter endometriose no futuro são as adolescentes que faltam a  escola por causa de cólica menstrual, ou seja, uma cólica que não é normal. Isso é um fator de risco para ter uma endometriose profunda na vida adulta”, explicou.


Sintomas

- Dores antes e depois da menstruação;
- Dores durante a relação sexual;
- Dificuldade para engravidar


Tratamento

A médica conta que o tratamento pode ser feito de diversas maneiras, sendo o mais comum o bloqueio hormonal dos ovários.

"Tem tratamento hormonal (que faz a mulher parar de menstruar), tratamento das alterações da alimentação, da atividade física (que tem muito impacto) e, em alguns casos, há o tratamento cirúrgico.  A cirurgia, às vezes. pode ser muito extensa, então, por isso ela é reservada para os casos que não tem melhora com o tratamento clínico", conclui Lia Cruz.

 


Jaqueliny Siqueira com informações do Notícia da Manhã
[email protected]

Imprimir