Cidadeverde.com
Política

Policiais militares poderão votar fora de domicílio eleitoral, anuncia comandante geral

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

O Plano de Ação da Polícia Militar do Piauí para as eleições de 2022 já foi concluído e apresentado para a governadora Regina Sousa (PT) e para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PI). A informação foi anunciada nesta segunda-feira (18) pelo comandante geral da PM, coronel Scheiwann Lopes. 

Segundo o comandante, uma das novidades para este ano é que os policiais militares designados para garantir a segurança no interior terão direito ao chamado voto em trânsito, ou seja, poderão votar mesmo fora de seus domicílios eleitorais. 

“Nosso plano de ação de comando já está pronto, nesta semana vamos entregar para o TRE todo o planejamento operacional e de forma indefira, além de entregar o plano antecipado iremos possibilitar ao policial o direito ao sufrágio universal, que é o voto. Antigamente, os policiais eram desfocados para interior, mas lá ele não tem a possibilidade do voto em separado por conta do tempo. Então, estamos nos debruçando para entregar ao policial que, no seu local de trabalho no interior, ele possa fazer o exercício da democracia do seu voto”, pontuou o comandante. 

Scheiwann Lopes pontuou que a partir do mês agosto o alto comando da PM e com comandantes de batalhões no interior para alinhar orientações sobre a atuação da corporação nas eleições. 

“São orientações do policiamento ostensivo e do comportamento da polícia nas eleições, estamos tomando providências com os coronéis, que são o nosso alto comando, baixando portarias para que tudo transcorra na maior paz e tranquilidade”, disse. 

Ele ainda reconheceu que a polícia pode encontrar dificuldades pontuais durante o pleito, mas garantiu que a corporação estará preparada. No total, serão pelo menos 6 mil homens fazendo a segurança nos dias de votação das eleições estaduais deste ano. 

“Sabemos conscientes que iremos ter problemas pontuais, é normal, estamos preparados para isso, mas queremos minimizar para níveis aceitáveis”, disse. 

 


Paula Sampaio 
[email protected]

Imprimir