Cidadeverde.com
Geral

Preso terceiro suspeito de participação na morte de advogado

Imprimir

Foto: arquivo pessoal

O terceiro suspeito de participação na morte de advogado Raimundo José Costa Siqueira, 41 anos, em abril deste ano, foi preso em Timon-MA nesta quarta-feira (03). A execução do advogado ainda é cercada de mistério e, aos poucos, está sendo elucidada pela Polícia Civil. A motivação ainda não foi revelada. Antes de ter o corpo localizado em alto mar, a vítima foi dada como desaparecida e teve o carro totalmente incendiado. Um PM que estava com ele foi alvejado de raspão na perna e contou que Siqueira foi sequestrado por criminosos. 

Contra o preso- que era considerado foragido não teve a identidade revelada- constavam dois mandados de prisão. O mais antigo, por crime de tentativa de homicídio, vitimou um policial rodoviário federal em 2014. Já o segundo está relacionado ao caso do advogado. O suspeito é apontado  como um dos responsáveis pela execução do crime e posterior ocultação do corpo da vítima.

O investigado também foi preso em flagrante por uso de documento falso, expediente utilizado como meio para fugir às abordagens policiais. 

A prisão foi efetuada pela Força Tarefa de Segurança Pública no Piauí (FTSP/PHB/PI) e a Delegacia de Polícia Civil de Luís Correia/PI, com apoio da Polícia Penal do Maranhão e da Divisão de Apoio à Investigação do Centro Integrado de Operações de Fronteira da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (DAI/CIOF/SEOPI/MJPS).

A ação policial segue um dos eixos de trabalho da FTSP-PHB, de cumprimento de ordens de prisão expedidas em desfavor de investigados suspeitos da prática do crime violentos. 

A FTSP-PHB, seguindo o modelo proposto pela Secretaria de Operações Integradas (SEOPI/MJSP), é composta pela Polícia Federal, Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Penal. 

Denúncias sobre atuação de facções criminosas, foragidos da Justiça, tráfico de drogas e outros crimes podem ser encaminhadas, de forma anônima, ao endereço eletrônico: bit.ly/denunciapcphb.


Graciane Araújo
[email protected]

Imprimir