Cidadeverde.com
Esporte

Após trauma com Jabulani, Fifa promete bola mais rápida e estável no Qatar

Imprimir

As últimas três edições da Copa do Mundo foram marcadas por terem bolas cada vez mais rápidas. E não será diferente no Qatar. Para a edição deste ano do torneio, a Fifa promete ter a bola mais veloz de todos os Mundiais.

Em 2010, foi com esse mesmo conceito que a entidade causou grande polêmica na Copa realizada na África do Sul. Naquela edição, a famosa Jabulani, como a bola foi batizada, acabou bastante criticada por alguns jogadores, que reclamavam das curvas que ela fazia em chutes fortes.

Atletas da seleção brasileira, inclusive, chegaram a chamar a redonda de "adversária", "horrível", e "bola de supermercado".

Para evitar o mesmo trauma no Qatar, a entidade máxima do futebol mundial pediu à Adidas, fornecedora oficial das bolas, uma tecnologia que ajudasse a dar mais precisão aos arremates.

Batizada de Al Rihla, "a viagem" ou "a jornada" em árabe, a bola que será usada este ano tem seu design inspirado, também, na cultura, arquitetura, barcos e na bandeira do Qatar. Segundo a Fifa, as cores em um fundo perolado representam o país-sede e a velocidade cada vez maior do jogo.

Com a antecipação do início da Copa do Mundo de 2022 em um dia, a bola vai rolar no Qatar no dia 20 de novembro, com o jogo entre o país-sede contra o Equador.

Fonte: Folhapress

Imprimir