Cidadeverde.com
Política

Coronel Diego Melo contesta pedido de impugnação de candidatura

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 


O candidato a governador Coronel Diego Melo (PL) contestou nesta quinta-feira (18) a denúncia feita pelo partido Agir, que pediu a impugnação da sua candidatura, sob o argumento de que o militar não teria se afastado de apresentação de programa até o dia 30 de julho. 

Diego Melo pontuou que realizou todo o processo para registrar a candidatura dentro da legalidade. Segundo ele, o programa que faz participação não é retransmitido em rádio. Ele também destacou que a emissora em questão, uma TV Web, não é uma concessionária de serviço, tratando-se de um veículo privada em que não há nenhuma proibição para a permanência. 

“Eles mentiram quando disseram que era retransmitido em rádio, não era.  Me afastei ainda em março do programa que era reproduzido em rádio. O programa que estava comentando era o programa Estúdio Piauí que não é reproduzido. É um argumento falacioso. A verdade vai prevalecer nos autos e vamos continuar nossa campanha para libertar o Piauí”, pontuou. 

Coronel Diego Melo teceu críticas ao diretório estadual do Agir, classificando a sigla partidária como um “satélite” que estaria sendo usado pelo Partido dos Trabalhadores. 

“Essa é uma ação do PT, o Agir está sendo usado para isso. O Agir é um partido satélite, não tem candidato a governador e nem competência para questionar a minha candidatura. Eles me processaram muito, me questionaram muito, não é de hoje, foram dezenas e dezenas de inquéritos e processos. Eu, graças a Deus, tenho superado. Dá trabalho para os advogados, mas resumo aqui que fiz tudo dentro da legalidade”, acrescentou. 

Coronel Diego Melo tem se colocado como o candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) no Piauí e revelou estar sendo de alvo de ataques nestas eleições, inclusive nas redes sociais. Com um discurso conservador, ele cita Deus ao elencar acreditar que vencerá as eleições. 

“Eu vou ser o próximo governador do Piauí e quem vai sentar naquela cadeira será Deus. Eu vou pedir todo dia ‘Deus, que eu seja instrumento do senhor nessa posição’. Os adversários que estão em campanha me atacando de maneira, até violenta, eu perdoo”, continuou. 

 

Paula Sampaio 
[email protected]

Imprimir