Cidadeverde.com
Política

Igrejas não têm que ter partido político, mas cuidar da fé, diz Lula

Imprimir

Com dificuldades entre o eleitorado evangélico, que faz parte da base do presidente Jair Bolsonaro (PL), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu o Estado Laico durante comício no Vale do Anhangabaú (SP), criticou o uso de igrejas como palanque político e a circulação de "fake news religiosa".

"Tem demônio sendo chamado de Deus e tem gente honesta sendo chamada de demônio. Tem gente que não está tratando igreja para tratar da fé ou da espiritualidade, está fazendo da igreja um palanque político ou uma empresa para ganhar dinheiro", criticou o ex-presidente, neste sábado.

"Eu, Luiz Inácio Lula da Silva, defendo o Estado Laico. O Estado não tem que ter religião. Todas as religiões têm que ser defendidas pelo Estado. Mas também quero dizer: as igrejas não têm que ter partido político, porque as igrejas tem que cuidar da fé e da espiritualidade das pessoas, e não cuidar da candidatura de falsos profetas, ou de fariseus, que estão enganando esse povo o dia inteiro", continuou.

Segundo o ex-presidente, ele fez as críticas "com a tranquilidade de um homem que crê em Deus" e que quando precisa, "eu não preciso de padre ou de pastor, eu posso me trancar no meu quarto e conversar com Deus quantas horas eu quiser sem pedir favor a ninguém".

Lula também incentivou seus apoiadores que enfrentar "pastores que estiverem mentindo" e não deixar nenhuma mentira passar para frente. Mas sem aceitar nenhuma provocação de rua

Violência contra mulheres

O petista também afirmou que o País não pode mais aceitar a violência contra as mulheres. "A mão de homem foi feita para trabalhar, mão de homem foi feita para fazer carinho na pessoa que ele ama, nos seus filhos. Mão de homem não foi feita para bater em mulher, quer bater em mulher, vai bater em outro lugar, mas não dentro da sua casa ou no Brasil, porque nós não vamos aceitar mais isso", disse.

Fonte: Estadão Conteúdo

Tags: Lulacomício
Imprimir