Cidadeverde.com
Entretenimento

'Aqui tem dedicação, determinação e disposição', diz Jade Picon ao rebater críticas

Imprimir

Foto: Eduardo Martins / AgNews

Jade Picon, 20, já está gravando as cenas de sua personagem Chiara na próxima novela da Globo, "Travessia", mas ela ainda não engoliu as críticas que recebeu quando foi anunciada no elenco da trama de Glória Perez.

A ex-BBB, que não é atriz de formação e precisou de uma autorização para atuar na produção do Sindicato dos Artistas do Rio (Sated-RJ) mandou um recado para quem não acreditava no seu talento.

"Pode falar o que for, mas aqui tem dedicação, determinação e disposição", escreveu na legenda de uma foto, que publicou no final de mais um dia de trabalho na noite deste sábado (20).

Recentemente, Jade admitiu que sentiu o baque com as críticas, mas o apoio do elenco e sua força de vontade foram importantes para que ela se mantivesse firme.

"Eu já esperava o hate. Não é algo confortável de se ler, mas também não vai me fazer desistir. Atuar é um sonho que virou realidade", disse a jovem em entrevista para a versão brasileira da revista americana Harper's Bazaar.

No início do maio, o Sated-RJ recebeu milhares de ligações de filiados e não filiados de todo Brasil pedindo esclarecimentos e até cobrando uma posição da entidade contra a escalação de Jade Picon na novela. Na época, o presidente da entidade Hugo Gross garantiu que ela não trabalharia em "Travessia".

Um mês depois, ela foi anunciada oficialmente como uma das protagonistas da produção após ter conseguido uma autorização especial. A reportagem apurou que Jade é uma aposta do diretor de entretenimento da Globo, Ricardo Waddington, e foi ele quem solicitou o documento.

Ao sindicato, Waddington alegou que a Globo estaria dentro da legalidade ao contratá-la para uma determinada produção. Presidente do Sated-RJ, Hugo Gross confirma que qualquer empresa de teatro, de cinema, teledramaturgia ou shows tem direito a um número específico de autorizações especiais para não-profissionais da área. "A emissora quis valer esse direito e nós tivemos que dar a autorização. O Ricardo Waddington é um diretor que defende a classe e que sabe tudo de teledramaturgia", contou Hugo Gross à reportagem.

 

Fonte: Folhapress 

Imprimir