Cidadeverde.com
Vida Saudável

Dizer "não" faz bem para saúde mental; veja dicas para aprender

Imprimir

 

Foto: Freepik

 

O termo “relacionamentos abusivos” está em evidência, mas pouco se explica como lançar mão da comunicação para impedir que essas situações do dia a dia, sejam na vida pessoal ou profissional, impactem negativamente na qualidade de vida.

Um grande aliado na prevenção desses relacionamentos é o senso de valor próprio, consequentemente  não aceitar qualquer tipo de tratamento, buscar defender sua autonomia, autoconhecimento e ter atitudes assertivas para impor suas barreiras de proteção.

“A violência doméstica não começa com uma agressão física, mas sim com o homem minando a percepção da mulher sobre ela própria. Fazendo a mulher acreditar que precisa dele para ser feliz e se sentir segura. Quando na verdade ela está se tornando uma vítima de um relacionamento que irá, aos poucos, cortar vínculos importantes com amigas e familiares e até mesmo gerar uma dependência financeira com seu conjugue. Ao fazer isso, a mulher estará sozinha, vitimizada e com muito mais dificuldade em deixar esse relacionamento”, analisa Diana Bonar, especialista em gestão de conflitos.

O primeiro pilar fala sobre a importância da autocompaixão e autocuidado. Quanto maior for o nosso autoconhecimento, mais distante estaremos de relacionamento abusivos. A Comunicação Não Violente é uma jornada interna que nos conecta as necessidades humanas e facilita a construção de uma vida plena, saudável e feliz.

“São como nossos valores e princípios, que precisam ser preenchidos para que nos sintamos bem. Quando falamos de relacionamento, as necessidades por parceria, pertencimento, afeto, amor, segurança psicológica, respeito e cumplicidades são essenciais. Portanto, se você não tem essas necessidades preenchidas possivelmente está sentido mágoa, tristeza, medo, insegurança e confusão”, ressalta Bonar.


Confira dicas:

1 - Observe os seus sentimentos, eles são mais fáceis de se perceber do que as necessidades. Não é um bom sinal, sentir-se confusa e triste com muita frequência.

2 - Conheça suas necessidades. Ter consciência sobre o que é importante para nós, nos ajuda a criar estratégias mais saudáveis e eficientes. Se pergunte: o que eu preciso, quais são meus valores? Por que estou fazendo ou aceitando isso?

3 - Você só pode se comunicar onde está a sua barreira de proteção, se souber onde está. Você ensina como gosta de ser tratada pelo que você aceita, tolera e reforça.

4 - Seja coerente com seus valores! Se você comunicou que não gosta que te xinguem, mas a pessoa faz novamente, pegue sua bolsa, se levante e vá embora. Ao ficar e aceitar desculpas novamente, você está ensinando que isso é um ciclo. Saia dele!

5 - Invista em você. Leia livros, assista vídeos e faça cursos sobre autocompaixão, inteligência emocional, amor próprio, autoestima, comunicação não violenta.


Atenção aos sinais

É no início dos relacionamentos que devemos mostrar claramente toda vez que essa barreira for tocada. Uma grosseria, um olhar agressivo, uma crítica que te coloca para baixo, um tom de voz que você não gosta, falar mal das suas amigas, tentativa de impedir você de sair ou de usar a roupa que quiser, ofensas e por aí vai.

Lembre-se: no primeiro sinal que essa pessoa tocou essa barreira, mesmo que pareça pequeno, comunique. Isso mostra que você se ama, se conhece e que não permite qualquer tratamento.

 


Da Redação
[email protected]

Imprimir