Cidadeverde.com
Geral

Grupo Matizes inicia 16° Semana do Orgulho de Ser nesta segunda-feira (29)

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde

A 16° Semana do Orgulho de Ser, com temática “Vote por um Brasil de cores e a gente faz um País melhor” idealizada e desenvolvida pelo Grupo Matizes, inicia nesta segunda-feira (29) e segue até o dia 6 de setembro, de forma presencial, em diversos espaços de Teresina, Floriano, Amarante e Altos.

Em sua programação, a Semana do Orgulho de Ser conta com oficinas, palestras, mostras de filmes, shows, lançamento de livros, eventos esportivos etc. Todas essas ações têm como foco a promoção de direitos de grupos discriminados, especialmente a população LGBT.

Confira aqui a programação

As ações serão realizadas em diversos locais, dentre eles universidades, escolas, teatros, quadras esportivas, órgãos públicos, praças e parques. Esse formato descentralizado facilita a participação das pessoas.

Segundo a vice-coordenadora do Grupo Matizes, Marinalva Santana, a programação abriga um cardápio variado de atividades gratuitas.  “Nossa expectativa é a melhor possível, pois após 2 anos sem realizar a Semana do Orgulho de Ser, em 2022 construímos uma programação variada, bem robusta. Além de Teresina, ocorrerão atividades em Floriano, Amarante e Altos”, afirmou.

A Semana do Orgulho de Ser é realizada pelo Grupo Matizes desde 2005 com o objetivo de levar o debate sobre direitos humanos e diversidades para um público variado formado por estudantes, professores, servidores públicos, militantes do movimento social e, especialmente, LGBT (Lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais). Cada um dos participantes possui liberdade de montar sua programação de acordo com afinidade dos temas e disponibilidade de horários.

O movimento visa à desconstrução do preconceito e o enfrentamento da discriminação contra grupos excluídos se revestem de uma importância ímpar. O evento é considerado uma ferramenta importante na luta por mais direitos e contra as opressões de que são vítimas LGBT, mulheres, negros e outros segmentos socialmente inferiorizados.

 


Da Redação
[email protected]

Imprimir