Cidadeverde.com
Vida Saudável

Estudo relaciona hábito de assistir à televisão a um maior risco de demência. Entenda

Imprimir


Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

Pesquisadores da Universidade do Arizona e da Universidade do Sul da Califórnia, ambas nos Estados Unidos, descobriram uma relação direta entre o hábito de assistir à televisão e maiores chances de pessoas idosas desenvolverem demência. A pesquisa de 12 anos buscou entender a ligação entre sedentarismo e risco de demência, fazendo uma análise de dados de 150 mil habitantes do Reino Unido com 60 anos de idade ou mais, nenhum dos quais tinha o diagnóstico da doença no começo do projeto.

As evidências e informações coletadas foram publicadas na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences nesta segunda-feira (22). Além de identificarem que o hábito de assistir à TV aumenta os riscos da doença, os cientistas também perceberam que ler um livro ou usar o computador parecem ter efeitos de proteção cognitiva.

De acordo com os dados, o tempo gasto sentado é menos impactante no envelhecimento cerebral do que o tipo de atividade que é feita no período de lazer. As pessoas que desenvolveram demência, segundo a pesquisa, assistiam a pelo menos 2 horas e 24 minutos de televisão por dia. Já assistir à TV por 4 horas por dia foi relacionado a um crescimento de 20% no risco de demência em comparação com aqueles que passavam menos de 2 horas nas telinhas.

Já o uso de computador por 1 hora foi associado a uma redução de 25% no risco do desenvolvimento da condição se comparado a nenhum uso. Provavelmente, isso se relaciona à estimulação intelectual que geralmente ocorre com o uso do computador, mesmo quando é utilizado para o lazer. Vale ressaltar que é comum hoje em dia o uso do computador como forma de entretenimento, seja através de redes sociais ou até mesmo jogos online, como é o caso das opções presentes no cassinos.info, como jogos de mesa, bingo, jogo do bicho e roleta. Além de proporcionar divertimento para adultos, os sites listados na plataforma de análises ainda trazem vantagens exclusivas para novos jogadores, como bônus de boas vindas e rodadas gratuitas.

Explicação

De acordo com o autor do estudo, o professor David Raichlen, o aumento nos riscos de demência com maior exposição à televisão já era esperado. “Sabemos de estudos anteriores que assistir televisão envolve baixos níveis de atividade muscular e uso de energia em comparação com o uso de um computador ou leitura”, afirmou ele à agência de notícias da Universidade do Sul da Califórnia. 

Isso porque, mesmo que ficar sentado ininterruptamente por longos períodos tenha sido relacionado a uma redução no fluxo sanguíneo do cérebro, como mostra a pesquisa, a estimulação intelectual acontecendo durante o uso do computador pode acabar neutralizando esses efeitos negativos do sedentarismo. 

Sintomas de demência

A demência é uma condição progressiva, onde a função mental é reduzida, afetando o pensamento, memória e a capacidade de aprender. Alguns dos sintomas comuns da doença são a perda de memória e dificuldade  de comunicação, já que ela afeta a área da linguagem. Além disso, pessoas com demência podem sofrer com desorientação e, com a progressão da condição, elas passam a não conseguir realizar as suas tarefas sem ajuda.

A doença ocorre principalmente em pessoas com mais de 65 anos e é uma das principais razões para internações em asilos. Contudo, é importante destacar que a demência não é uma parte normal do envelhecimento, sendo considerada um distúrbio de saúde mental. Apesar de não haver provas concretas de que certos hábitos podem prevenir o desenvolvimento da doença, estudos como o que foi publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences trazem algumas evidências de que um estilo de vida saudável pode contribuir para preveni-la.

Da Redação
[email protected]

Imprimir