Cidadeverde.com
Geral

Varíola dos macacos: Estados Unidos registram primeira morte associada à doença

Imprimir

Foto: Estadão Conteúdo 

Os Estados Unidos registraram nesta terça-feira, 30, a primeira morte de um paciente diagnosticado com a varíola dos macacos (monkeypox). A vítima é um homem com "grau severo de imunossupressão" que vivia no Condado de Harris, no Texas.

O Departamento de Saúde estadunidense agora investiga qual o papel que a varíola dos macacos desempenhou na morte do paciente

"A monkeypox é uma doença séria, especialmente para aqueles com o sistema imune enfraquecido", afirmou John Hellerstedt, responsável pelo Departamento de Serviços Sociais e Saúde do Texas. "Continuamos pedindo às pessoas que procurem tratamento se foram expostas à varíola dos macacos ou tiverem sintomas consistentes com a doença."

Os Estados Unidos foram um dos primeiros e únicos países até agora a vacinar a população contra a varíola dos macacos. Por lá, a imunização é focada no público de "homens que se relacionam com homens" (HSH), pessoas vivendo com HIV e usuários de profilaxia pré-exposição (PrEP). Embora a doença tenha se espalhado mais rapidamente entre homens gays e bissexuais, especialistas alertam que outros grupos também podem se infectar com o vírus.

O primeiro caso da doença foi confirmado no país em 18 de maio. Em 28 de junho, os EUA começaram o programa de imunização contra a monkeypox, utilizando um dos poucos estoques disponíveis no mundo da vacina JYNNEOS, a mesma que será entregue ao Brasil pelo fundo rotatório da Opas, braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) na América Latina.

Mas enquanto a previsão é de que o Brasil receba inicialmente 50 mil doses, os EUA já negociaram diretamente com a farmacêutica Bavarian Nordic, única fabricante do imunizante, a entrega de aproximadamente 7 milhões de vacinas até meados do ano que vem. Por lá, a vacina ACAM2000, utilizada inicialmente para tratar a varíola humana (smallpox) também é administrada no público-alvo

Ainda na segunda-feira, 29, o Brasil teve a segunda morte pela varíola dos macacos desde o início do novo surto. O paciente é um homem de 33 que também apresentava comorbidades e baixa imunidade, morador de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro.

Com esse registro no Texas e o mais recente no Brasil, o total de mortes pelo atual surto de varíola dos macacos chega a 17. Fora da África, o continente americano é o que concentra o maior número de óbitos pela doença, com outros dois registros em Cuba e no Equador.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir