Cidadeverde.com
Política

Coronel Diego afirma que aceno de Bolsonaro a Sílvio Mendes não afeta candidatura

Imprimir

O candidato do PL ao governo do estado, coronel Diego Melo, afirmou nesta segunda-feira (19) que recebeu "com surpresa" o aceno feito pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) na última semana ao candidato Sílvio Mendes (União Brasil).O militar garantiu que o episódio  em nada alterou sua relação com o presidente e acrescentou ser um “soldado do exército de Bolsonaro”. Diego Melo ainda descartou qualquer possibilidade de desistir da disputa pelo Palácio de Karnak. 

“Foi uma supresa. Não altera [minha relação com ele], eu admiro e apoio o presidente, espero que possamos reeleger o presidente, aqui no Piauí vamos fazer a nossa parte eu sou soldado desse exército do presidente no Brasil e o que for melhor para o Piauí e para o Brasil vamos acatar.Continuamos normalmente andando por todo o Piauí”, disse o candidato ao Notícia da Manhã. 

Diego Melo ainda afirmnou que, logo após a live de Bolsonaro na última quinta-feira, entrou em contato com o Diretório Nacional do PL pedindo explicações, já que o partido tem nome próprio concorrendo ao governo.  

“Eu não sou candidato de mim mesmo, eu tenho um partido o PL, quando o vi a manifestação, entrei em contato com o partido a nível nacional. Nós apoiamos sempre o presidente e estamos conversando com a nacional. Espero que isso seja esclarecido, estou aqui como piauiense, há 25 anos servindo o protegendo, trazendo a gora uma opção de mudança de verdade”, declarou o coronel. 

Diego Melo não mencionou se obteve alguma resposta por parte dos dirigentes da sigla e disse apenas esperar que a situação seja esclarecida. Ao longo da entrevista ele fez questão de elogiar Bolsonaro, que concorre a reeleição, reforçando que segue o apoiando.

SECRETÁRIA DA MULHER, FAMÍLIA E DIREITOS HUMANOS 

Seguindo o que já foi feito no Governo Federal, sob a administração de Bolsonaro, coronel Diego Melo afirmou querer criar uma Secretária Estadual Da Mulher, Família E Direitos Humanos no Piauí. 

“A política pública voltada para a família e para a mulher foi negligenciada pela gestão petista, a família não tem nenhum tipo de política pública, você que é casado ou casado, que cria os seus filhos, tem toda a dificuldade, sabe que falta do estado uma atenção para você, somente após o problema há uma assistência, nós queremos dar uma prevenção. Vamos voltar toda a nossa atenção para a família”, explicou. 

Diego Melo também prometeu extinguir pelo menos 30 mil cargos comissionados da máquina pública e, em seguida, ocupar estes espaços com novos empregados oriundos de concursos públicos. Na Segurança, por exemplo, o objetivo do candidato é fazer novos certames para dobrar o efetivo da Polícia Militar (PM-PI), que hoje tem uma corporação na ordem de 4 mil agentes. 

“Tem que pagar bem [a polícia]. É possível fazer, sim, temos 60 mil cargos em comissão, por livre nomeação do governador, eu vou reduzir para metade disso. 30 mil cargos em comissão a menos para seguranças, saúde e educação”, prometeu. 

IMPOSTOS 

O candidato a governador ainda reforçou que vai reduzir a alíquota do ICMS, que hoje está em 18%, e reflete diretamente no preço da gasolina. Diego Melo afirmou defender uma redução “drástica” dos impostos estaduais e acredita que a medida poderá atrair investimentos de empresas privadas para o estado. 

“A alta taxa de impostos no Piauí está afastando empregos, por exemplo, tem uma empresa de cimento em Fronteiras foi embora, a Coca-Cola e Dudico fecharam, além de outras empresas que foram para o Maranhão e Ceará e não estão mais no Piauí, milhares de empresas fecharam as portas por causa da alta taxa de impostos”, disse. 

AGRONEGÓCIO

Ao falar sobre agronegócio, o coronel Diego Melo ainda fez criticas aos governos petistas no Piauí e disse que os membros do partido incentivam a polarização entre grupos da população. 

“Vamos transformar o pequeno agricultor em grande e o grande em maior ainda, porque não temos nada contra quem é grande, diferente do PT, que tenta colocar uma  briga de classe entre pessoas, entre as famílias, onde nasce, qual é a opção sexual, qual é a condição financeira. Nós queremos unir o Piauí para que ele possa se desenvolver”, destacou. 

 

Paula Sampaio
[email protected]

Imprimir