Cidadeverde.com
Geral

Casal é preso suspeito de aplicar golpe do Pix por agendamento em pet shop de Teresina

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

Um casal foi preso hoje (23) no bairro Dirceu Arcoverde, na zona Sudeste de Teresina, suspeito de aplicar golpe do pix por agendamento em uma loja de pet shop, na zona Leste da capital. Segundo a Polícia, o casal que é uma técnica de enfermagem e um contador, chegou a aplicar o golpe cinco vezes na empresa. 

A prisão foi realizada por uma equipe do 12º DP, comandada pelo delegado Ademar Canabrava. Os policiais conseguiram fazer a prisão após denúncia da proprietária da loja. O casal aplicava o golpe ao agendar o pagamento.

“Eles fazem o pedido e imediatamente fazem o pix, mas é um pix agendado. Quando a mercadoria chega, aquele pix já está cancelado, então em só uma loja de pet fizeram cinco pedidos. A dona da loja compareceu hoje por volta de 11h e já tinha um pedido agendado para hoje. Fizemos o acompanhamento do motorista para fazer a entrega da mercadoria, e para chegar na residência o motorista fez a entrega e conseguimos prender o casal dentro de casa. Ela é técnica de enfermagem e ele um contador”, informou o delegado.

Somente no pet shop o golpe aplicado foi de quase R$ 10 mil. A Polícia Civil agora vai investigar outros golpes aplicados pelo casal, que confessou o crime. "De posse do celular dele, comprovamos que já tem várias lojas que eles fazem isso. Inclusive trouxemos várias caixas de celulares e com certeza foram comprados pelo pix", afirmou.

Canabrava informou que muitas lojas estão registrando casos desse tipo. “Estamos tendo muitos [casos]. Tivemos aqui três restaurantes vítimas também, já identificamos duas mulheres que fazem isso aqui em motel também, e já temos nomes para pedir a prisão preventiva”, destacou.

Ele ainda disse que os proprietários devem ficar atentos para conferir se o dinheiro realmente caiu na conta. “Como o pagamento é a vista, é importante primeiro conferir se realmente o dinheiro está na conta para fazer a entrega da mercadoria, pois isso está acontecendo muito e várias vítimas apareceram aqui na delegacia”, disse o delegado.

 

 

Bárbara Rodrigues e Christhian Sousa
[email protected]

Imprimir