Cidadeverde.com
Esporte

Patrick marca golaço e São Paulo goleia o Avaí antes de final da Sul-Americana

Imprimir

O São Paulo goleou o Avaí por 4 a 0, no Morumbi, no único jogo da 28ª rodada do Brasileirão deste domingo. No último compromisso antes da final da Copa Sul-Americana, marcada para sábado, em Córdoba, contra o Independiente Del Valle, o time de Rogério Ceni teve amplo domínio do jogo e demonstrou estar afiado nas bolas paradas. 

Foto - Rubens Chiri / saopaulofc.net

Os gols da vitória tricolor foram marcados por Diego Costa, Luciano, Patrick - em golaço de voleio - e Eder.

Com a vitória, o São Paulo sobe três posições e assume momentaneamente o 10º lugar, com 37 pontos, e fica na torcida pelos tropeços de Botafogo, Santos e Red Bull Bragantino para garantir a colocação até o final da rodada, que será encerrada na quarta-feira por causa da Data Fifa. 

O tricolor paulista volta a campo pelo Brasileirão no dia 6 de outubro, pela 30ª rodada, contra o América-MG, fora de casa. O duelo com o Coritiba, pela 29ª rodada, será apenas no dia 20 do próximo mês.

Apesar do horário pouco habitual, marcado para às 20h por causa da final entre Corinthians e Palmeiras pelo Brasileirão sub-20, a torcida do São Paulo marcou presença em bom número no Morumbi para demonstrar apoio ao time. 

Os torcedores mostraram paciência com a equipe de Rogério Ceni, que começou a partida fazendo um jogo mais cadenciado, apesar de estar enfrentando um adversário da parte de baixo da tabela. As equipes não promoveram nenhum lance de emoção pelo menos até os 20 minutos.

O clima entre os times começou a ficar quente após Bruno Silva acertar um pontapé em Rodrigo Nestor, que tentou retardar uma falta para o Avaí no meio.

Os jogadores começaram a bater boca e deram início a uma confusão, com direito a dedo na cara. Bruno Arleu amarelou os protagonistas da briga e encerrou a discussão. 

Minutos depois, o São Paulo finalmente levou perigo à meta rival Patrick finalizou com perigo da entrada da área, mas a bola saiu desviada para a linha de fundo. No escanteio, Diego Costa subiu mais alto que a zaga para abrir o marcador.

Coincidência ou não, a partida voltou a ficar tensa após o gol, com os jogadores exagerando na força nas divididas de bola. Truncada, a partida só voltou a ter emoção aos 34 minutos, quando Bissoli mergulhou livre de cabeça na grande área após lançamento longo. 

A bola passou à esquerda do gol de Felipe Alves, assustando a torcida tricolor. Nos acréscimos, o São Paulo praticamente liquidou a partida.

Aos 47, Nestor cruzou rasteiro pela esquerda e Luciano, de carrinho, empurrou para o fundo das redes. Três minutos depois, uma pintura! Patrick matou no peito uma bola desviada de escanteio e acertou um lindo voleio no canto direito de Glédson, que nem se mexeu.

Mesmo com ampla vantagem no placar, o São Paulo voltou para o segundo tempo com um ritmo forte. A primeira boa chance veio com Calleri, que arrancou do meio-campo e por pouco não fez um golaço de cobertura. 

Em seguida, Rafinha achou espaço e soltou de fora da área, mas a bola foi por cima da trave adversária. Nestor foi outro que apareceu levando perigo no início da etapa final, com um chute colocado após sobra na grande área, com a bola saindo pela direita do goleiro.

O Avaí praticamente não agrediu o São Paulo no início do segundo tempo, e Lisca decidiu colocar o experiente Paolo Guerrero em campo.

Entretanto, o peruano ex-Corinthians, Flamengo e Inter pouco viu a cor da bola e apareceu pela primeira vez quando recebeu cartão amarelo por reclamação, sendo "homenageado" pelos são-paulinos em seguida.

Por sua vez, Ceni promoveu a entrada de Luan, marcando a volta do volante ao time depois de três meses fora por lesão.

A primeira grande chance do Avaí veio somente aos 27, quando Pottker obrigou Felipe Alves a fazer difícil defesa depois de forte cabeçada. O árbitro foi ao VAR logo em seguida para avaliar uma possível penalidade para o time catarinense, mas a infração não foi marcada. 

A partida caminhou para a sua reta final com o São Paulo buscando trocar passes na área adversária, em um ritmo mais lento. Ainda deu tempo para Eder marcar de cabeça, dando números finais ao jogo.

Frequentemente perseguido pela torcida, o meia Igor Gomes, que entrou na etapa final, teve seu nome gritado nas arquibancadas pela jogada do quarto gol.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir