Cidadeverde.com
Vida Saudável

Ansiedade e depressão na gravidez: como identificar?

Imprimir

 

 

Durante a gravidez algumas mudanças de humor são muito comuns devido as mudanças hormonais com a chegada do bebê. Alguns desses sintomas podem trazer até sentimentos de depressão e ansiedade.

Segundo a psicóloga Larisse Pêgo, geralmente a ansiedade quase sempre vem associada a sintomas de depressão.

“A ansiedade todos nós temos, é natural, mas ela deve estar controlada. É na depressão que observamos a situação do humor, irritabilidade, a perda de vontade de fazer atividades, principalmente a perda de interesse no trabalho e pelo fato da gestante também sofrer alterações hormonais e emocionais devido a chegada do bebê. Isso tudo faz com que surja uma confusão de sintomas. Muitas vezes ela pode estar deprimida pela situação hormonal e que pode se perpetuar durante a gravidez e só depois desenvolver a depressão-pós parto”, disse.


Sintomas da Ansiedade

Ainda de acordo com a especialista, a ansiedade é caraterizada por diversos sintomas que podem deixar o indivíduo paralisado.

“A ansiedade pode ser uma taquicardia, nervosíssimo, frio na barriga, excesso de preocupação, pensamentos muito negativos e a pessoa sempre pensa no amanhã. Ela sempre se preocupa com o que vai acontecer. E, às vezes, você fica estabilizado e não consegue avançar, preocupado com o que pode acontecer e com pensamentos inexistentes. A pessoa sofre por antecipação e estudos indicam que 80% desses pensamentos ansiosos não vão acontecer.


Sintomas da depressão

Já a depressão, para Larisse Pêgo, é direcionada ao humor do paciente que pode vir associada a perda ou o excesso de apetite. “A ansiedade e depressão são realmente bem distintas: uma é levada para o lado do humor (depressão) e a ansiedade está mais relacionada aos pensamentos negativos que nos paralisam e que não deixam fazer nossas atividades rotineiras”, explicou.


Tratamento em gestantes

Durante a gravidez, conforme a psicóloga, o tratamento é colocado segundo a gravidade do quadro. “É sempre bom ter acompanhamento médico, acompanhado das dosagens corretas porque a orientação é que as medicações devem ser tomadas partir da 12ª semana de gestação (antes disso não é recomendável porque pode fazer mal para o feto). Também é importante saber qual ansiolítico tomar e tudo isso tem que ter a orientação médica de um psiquiatra”, contou Larisse Pêgo.

 

Jaqueliny Siqueira
[email protected]

Imprimir