Cidadeverde.com
Esporte

Palmeiras bate America de Cali e encara o Boca na final da Libertadores feminina

Imprimir

O Palmeiras está na final da Copa Libertadores feminina. As Palestrinas venceram o América de Cali (COL), hoje (26), por 1 a 0, no estádio Rodrigo Paz Delgado, em Quito, no Equador, e enfrentará o Boca Juniors em inédita final continental.

Foto - Divulgação - Conmebol

Apesar do domínio em grande parte do jogo, o Palmeiras demorou para balançar as redes. A volante Ary Borges marcou, de cabeça, o único gol da partida, aos 9 minutos do segundo tempo.

O Palmeiras busca seu primeiro título da Libertadores, e está invicto na competição continental. O clube paulista venceu os três compromissos pela fase de grupos e se classificou para os mata-matas em primeiro do Grupo C.

Nas quartas de final, o Palmeiras arrancou uma vitória dramática por 2 a 1 sobre o Santiago Morning, com gol da virada no último lance da partida.

Agora o clube se prepara para enfrentar o Boca Juniors - que eliminou o Corinthians nas quartas de final - nesta sexta-feira (28), às 19h (de Brasília). O confronto será no estádio Rodrigo Paz Delgado, em Quito, no Equador.

Em busca da vaga na final continental, o Palmeiras ditou o ritmo do jogo, mas esbarrou na marcação do América de Cali. 

Com liberdade para criar até a entrada da área, as Palestrinas tiveram muita dificuldade para passar pela última linha de marcação. Tanto que a melhor chance veio de chute de fora da área de Ary Borges, aos 8 minutos do primeiro tempo, defendido por Nathalia Giraldo.

Do outro lado, o América de Cali tentou explorar a linha alta do Palmeiras para partir em velocidade nas costas das zagueiras, assim como tentar roubadas de bola no campo de ataque. A goleira Jully, porém, foi pouco exigida.

O gol do Palmeiras esquentou o clima em Quito. Na frente, o clube paulista se manteve no campo de ataque, em busca de uma oportunidade para construir um placar mais elástico. 

Já o América de Cali resolveu correr atrás do prejuízo, trocando passes no campo adversário e buscando cruzamentos para a área. Jully, porém, foi pouco exigido.

Fonte: Folhapress

Imprimir