Cidadeverde.com
Esporte

Ex-goleiro Leão tem casa invadida e medalha de campeão do mundo de 1970 roubada

Imprimir

O ex-goleiro e ex-técnico Emerson Leão, de 73 anos, teve a sua casa, localizada no Jardim Paulista, na zona oeste de São Paulo, assaltada no último final de semana.

Entre os objetos furtados estavam a medalha de campeão do mundo que ele conquistou em 1970, no Mundial do México, e também uma réplica da taça Jules Rimet. Ninguém estava na casa no momento do crime

À polícia, Leão declarou que ficou fora de sua residência por quatro dias. Ele saiu com a esposa na última quinta-feira, 3, no período da manhã, e só retornou no domingo, 6.

Neste tempo, segundo o ex-jogador, duas funcionárias que trabalham para o casal estiveram no local na sexta-feira, mas que nada de anormal havia sido constatado.

Quando chegou na residência no domingo, porém, Leão percebeu que a casa havia sido invadida. Ao entrar no imóvel, ele notou que foram levadas uma bolsa com jóias, pedras preciosas, relógios de ouro e outros objetos de valor.

Segundo o boletim de ocorrência, registrado no 14º Distrito Policial (DP), em Pinheiros, entre os objetos furtados estavam também a medalha de campeão do Mundo pela Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1970, quando, no México, o Brasil conquistou o tricampeonato mundial, a Taça Jules Rimet (em ouro), e também outros troféus conquistados por Leão ao longo da carreira.

Ao Estadão, Leão confirmou que sua casa fora invadida. Sem querer dar detalhes, ele disse que "roubaram tudo o que possa imaginar". O prejuízo do roubo, segundo o campeão mundial, é "incalculável." De acordo com o ex-atleta, nenhum objeto foi recuperado até o momento.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) informou que o caso foi registrado como furto e está sendo investigado pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC).

"A equipe da unidade realiza diligências para identificar, prender os autores e recuperar os objetos furtados. Detalhes serão preservados para garantir a autonomia do trabalho policial". declarou a secretaria no comunicado.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir