Cidadeverde.com
Cidades

Familiares de adolescentes mortos após pularem muro de sítio fazem ato e pedem justiça

Imprimir
  • manifestação_1.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_2.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_3.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_4.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_5.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_6.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_7.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_8.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_9.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_10.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_11.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • manifestação_12.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com

Familiares e amigos dos adolescentes Luian Ribeiro de Oliveira (16 anos) e Anael Natan Colins (17 anos), mortos em novembro do ano passado, realizaram uma passeata nesta terça-feira (15) Planalto Uruguai, zona Leste de Teresina. O ato acontece exatamente um ano após os corpos das vítimas terem sido encontrados nas proximidades da rodovia PI-112, que dá acesso ao município de União. 

Vestidos de branco, com balões brancos e cartazes que pedem por Justiça, os participantes deram início à passeata por volta das 8h40. 

Emocionados, os pais dos dois adolescentes conversaram com o Cidadeverde.com e lamentaram a morosidade para a marcação do Tribunal do Júri. O empresário João Paulo de Carvalho Gonçalves, e os advogados Francisco das Chagas Sousa e Guilherme de Carvalho Gonçalves Sousa, réus pelo crime estão aguardando o julgamento em liberdade. 

“Queremos que os assassinos sejam presos. A condenação deles não vai trazer eles de volta, mas vai confortar um pouco o nosso sofrimento. Hoje, o Luian faria 17 anos e estaria comemorando o aniversário dele, como sempre”, disse Maria da Cruz, mãe de Luian. 

Fotos: Redes sociais 

No último dia 30 de setembro, o juiz Antônio Reis de Jesus Nollêto, da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, mandou soltar os acusados de assassinar os adolescentes. O empresário e os advogados aguardam o julgamento em liberdade e a marcação do Tribunal do Júri. 

O empresário João Paulo e o primo Guilherme de Carvalho foram presos no dia 8 de fevereiro. Já o advogado Francisco das Chagas Sousa, de 70 anos, estava em prisão domiciliar devido ao seu estado de saúde.

Na audiência de instrução, eles confessaram o crime. 

Ailton Pereira, pai do adolescente  Anael, disse que a família espera que o Poder Judiciário se sensibilize e marque logo o Tribunal do Júri. 

“Estamos fazendo essa passeata hoje reivindicando que a Justiça seja feita o mais rápido possível. A gente luta todos os dias, mas a dor não diminui, só aumenta. Esperamos por Justiça e que os assassinos sejam presos”, frisou o pai de Anael.

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

Memórias 

Durante o ato, familiares e amigos também lembraram de momentos vivenciados com os dois adolescentes. 

“O Luian era um menino maravilhoso. Hoje ele está, se ele estivesse vivo, ele estava aniversariando, completando dezessete anos. Hoje está no céu. A festinha dele hoje está sendo no céu porque eles interromperam a vida do meu filho. E o nosso pedido é de Justiça”, afirmou Maria da Cruz. 

A mãe de Luian afirmou ainda que ficou apenas a saudade e a dor para ela e a família de Anael clamarem por Justiça. 

“Senhor promotor, juiz, pelo amor de Deu, sinta a nossa dor que a gente está sentindo hoje. Eu peço, eu clamo por Justiça. Eu peço ao juiz, ao promotor, à sociedade que se junte a nós, que marque esse julgamento. Eu sei que não vai passar a nossa dor, mas vai aliviar um pouco para que a Justiça seja feita logo”, completou Maria da Cruz.

Defesa se manifesta

O advogado Lúcio Tadeu, que faz a defesa dos acusados, informou que eles já foram pronunciados para serem julgados pelo Tribunal Popular do Júri, e que neste momento estão em liberdade provisória, mas respondendo a todos do processo e cumprindo as medidas cautelares impostas pela Justiça. 

“O processo já passou pela primeira fase na Vara do Júri, eles foram pronunciados. Na sentença de pronúncia o juiz atendeu o pedido da defesa e eles estão em liberdade provisória. O processo correu com celeridade, eles estão recebendo todos os atos do processo e prestando mensalmente os atos da Justiça, estamos recorrendo das partes que achamos que não são condizentes com o que aconteceu e aguardar, depois de transitado e julgado os recursos, serão submetidos a júri popular”, explicou o advogado.

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

Relembre o caso 

Os dois jovens haviam desaparecido após uma festa, realizada no dia 12 de novembro de 2021 em um sítio próximo à Ladeira do Uruguai, na zona Leste de Teresina. Depois de dois dias de buscas, os corpos dos adolescentes foram encontrados em um matagal às margens da PI-112, rodovia que liga a capital ao município de União. 

Os três acusados foram presos no dia 8 de fevereiro. O promotor de justiça, Regis Marinho, ofereceu no dia 22 de fevereiro a denúncia contra o empresário João Paulo de Carvalho, além de seu tio e primo acusados de torturar e matar os dois adolescentes. O empresário e os advogados Francisco das Chagas Sousa e Guilherme de Carvalho Gonçalves foram denunciados por duplo homicídio, ocultação de cadáver, sequestro e cárcere privado qualificado dos adolescentes Luian Ribeiro de Oliveira, 16 anos, e Anael Natan Colins, 17 anos.  A motivação do crime foi por vingança. 

Sobre a dinâmica do homicídio, o coordenador-geral do DHPP, o delegado Francisco Baretta, relatou que os adolescentes foram torturados, espancados e depois mortos após serem flagrados no sítio do advogado Francisco das Chagas, tentando entrar em uma festa no sítio do lado. 

 

 


Nataniel Lima e Bárbara Rodrigues 
[email protected]

Imprimir