Cidadeverde.com
Política

Indicada para transição de Lula, Carina Câmara diz que é preciso melhorar malha aérea do NE

Imprimir

Escalada para a equipe de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Carina Câmara inicia nesta segunda-feira (21) o trabalho no grupo de discussão sobre o Turismo. Em entrevista ao Jornal do Piauí, a advogada afirmou que o objetivo é fazer o diagnóstico do do setor para dar continuidade às atividades e propor novas ações. 

“Vamos alinhar como vai ser feito esse trabalho, pegar diretrizes para começar, mas principalmente vai ser feito um diagnóstico inicial de como está o governo que vamos pegar para darmos continuidade e não deixar que as coisas pararem no meio do caminho. Também fazer com que a gente consiga integrar as propostas do novo governo”, pontuou. 

Ex-secretária de Turismo do Piauí (Setur-PI) e superintendente da Setur-PI, Carina Câmara foi a primeira presidente da Câmara Setorial da Rota das Emoções, em 2017, e também esteve à frente da coordenação da Câmara Temática de Turismo do Consórcio Nordeste. Neste sentido, defende ampliação das ações turísticas na região. 

Foto: Cidadeverde.com

"A gente tem uma dificuldade grande, no Nordeste como um todo, de malha aérea. Nossa malha aérea atrapalha absurdamente, então é um dos gargalos que deve ser melhorado. Além disso, a gente tem a questão da promoção e divulgação, que tem que melhorar muito. Temos atrativos, uma beleza natural incrível, que tem que ser trabalhada de uma forma diferente”, defendeu. 

Apesar da ampla experiência em gestão no Nordeste, Carina Câmara garante que sua participação no grupo não será focada apenas em questões regionais. “Esse trabalho é nacional, vamos fazer para o Brasil todo. É uma análise geral de levantamento de informações, porque precisamos saber como está a situação atual para saber o que pode ou não ser feito”, destacou. 

Por fim, a integrante da equipe de transição reforçou a importância da retomada de ações do Ministério do Turismo que foram descontinuadas pelas últimas gestões. “A gente sente a necessidade de políticas públicas realmente voltadas para o turismo e que funcionem, que hoje os estados estão muito abandonados sem esse vínculo federal que tínhamos um tempo atrás. Tínhamos projetos incríveis", concluiu.

Breno Moreno
[email protected]

Imprimir