Cidadeverde.com
Picos

Polícia conclui inquérito e suspeito de agredir adolescente com chicote poderá ser preso

Imprimir

Foto: Arquivo/Família

O inquérito que investiga o caso de agressão com chicote praticado contra um adolescente, na zona rural de Santana do Piauí, foi concluído. O trabalho realizado pelo 1° Distrito Policial de Picos agora será encaminhado à Justiça.

O crime ocorreu em 25 de outubro deste ano. O adolescente, de 13 anos, foi açoitado com chicote após supostamente ter pego uma espora e não a devolver ao proprietário de um parque de vaquejada. 

O delegado titular do 1° Distrito Policial, Petrônio Henrique, explicou que a Polícia Civil teve acesso ao vídeo que mostra como a agressão ocorreu. O suspeito foi ouvido e confessou o crime.

“Ele confessou até porque tinha o vídeo, explicou o que fez. Agora vou relatar o inquérito e indiciar o suspeito para mandar para a Justiça. O Ministério Público depois vai oferecer a denúncia”, disse o delegado.

Delegado Petrônio Henrique

Sobre a motivação para as chicoteadas, o delegado revelou que o suspeito disse ter praticado o ato por se sentir afrontado pelo menor.

“Ele disse que o menor chamou ele de vacilão. [Você é um vacilão, deixa suas coisas em qualquer lugar]. Nessa hora o suspeito disse que perdeu a razão e agrediu ele com o chicote”, frisou.

O suspeito será indiciado à Justiça pelos crimes de lesão corporal e ameaça. O mesmo poderá ter a prisão decretada e/ou ser arbitrada fiança.

O crime

Na manhã de 25 de outubro um adolescente de 13 anos foi agredido com chicote após supostamente ter furtado esporas em Santana do Piauí, distante 19 km de Picos. O fato ocorreu no Povoado Alegre, zona rural do município.

As esporas, acessório utilizado para fazer pressão no cavalo para que ele se locomova, pertenciam a um homem que participa de vaquejadas.

Segundo a mãe do garoto de iniciais, M.J.R., o homem teria se deslocado até a sua residência, levado-o à força para uma roça distante, onde desferiu as chicoteadas. As marcas da agressão ficaram nas costas da vítima.

 

Paula Monize
[email protected]

Imprimir