Cidadeverde.com
Esporte

Ex-jogador da seleção italiana insiste que Richarlison é 'horrível'

Imprimir

O ex-jogador Antonio Cassano, 40, criticou o atacante Richarlison, 25, durante um programa da TV italiana Rai, onde comenta a Copa do Mundo.

Mesmo após os dois gols do brasileiro contra a Sérvia, na quinta-feira (24), o ex-atacante da seleção italiana afirmou que Richarlison "é muito fraco" e "não conseguiu dominar a bola na jogada do segundo gol", que marcou de voleio.

"São 25 jogadores estupendos, maravilhosos. Só falta uma coisa ao Brasil. O jogo foi inassistível, Richarlison é muito fraco. Insisto: Richarlison não pegou na bola até os 70 minutos.

No segundo gol, não conseguiu dominar a bola e acabou fazendo de bicicleta. Sim, sim, ele errou o domínio, é inassistível. Ele não tem nada a ver com os grandes atacantes brasileiros. Esse é o ponto fraco do Brasil", disse o ex-jogador.

"A verdade é que, no segundo gol, ele dominou mal e acertou o chute, enquanto o outro foi chutando para um gol vazio", completou.

Não é a primeira vez em que Cassano faz comentários do tipo. Após o anúncio dos convocados brasileiros para a Copa, ele fez críticas semelhantes a Richarlison, contestando a inclusão do atacante na lista e o corte de Roberto Firmino, 31.

"Para mim, é justo que Tite seja xingado, porque não pode convocar Richarlison, que é muito fraco, e não Firmino, que é um fenômeno. Richarlison é horrível. Sim, sim, o Tottenham pagou 75 milhões de euros nele. 

Pergunta: como é possível ter à disposição Firmino, que teve uma ótima recuperação neste ano, e escolher Richarlison, que não sabe dominar uma bola. É escandaloso. Eu gosto do Tite, mas não posso entender que convoque Richarlison, que mal está jogando no Tottenham."

Cassano atuava como segundo atacante e foi revelado no Bari. Teve boa passagem pela Roma, no início dos anos 2000, mas acabou saindo do clube por problemas de relacionamento com a diretoria e jogadores.

Foi para o Real Madrid, mas não se destacou entre os merengues e foi emprestado para a Sampdoria, onde se tornou ídolo.

Mesmo abraçado pelo clube genovês, ele se desentendeu com o presidente do clube, Riccardo Garrone, e se transferiu para o Milan.

Lá, jogou bem, mas teve um acidente vascular cerebral, que o afastou dos campos. Ainda assim, conseguiu recuperar-se a tempo de disputar pela Itália a Eurocopa de 2012, sendo vice-campeão.

Depois disso, teve passagens apagadas por Internazionale, Parma, Sampdoria e Verona. Hoje é comentarista ao lado de outros ex-jogadores como Christian Vieri, Nicola Ventola e Lele Adani no programa Bobo TV, da Rai, emissora estatal italiana. A Itália não se classificou para Copa do Mundo de 2022.

Pela seleção italiana, Cassano disputou a Copa do Mundo de 2014. Foi banco e entrou contra a Costa Rica e Uruguai, duas derrotas por 1 a 0 da Azzura, que caiu na fase de grupos naquela edição.

No total, tanto Richarlison quanto Cassano têm o mesmo número de jogos por suas seleções: 39. Cassano, no entanto, tem dez gols, nove a menos que o brasileiro. Richarlison também contabiliza sete assistências, ante quatro do italiano.

Fonte: Folhapress

Imprimir