Cidadeverde.com
Política

Promessa de Lula de não tentar reeleição antecipa debate sobre sucessão

Imprimir

Foto: Ricardo Stuckert/ Instagram Lula

A indicação do futuro presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que não tentará a reeleição em 2026 prenuncia embates no governo e na base aliada em torno da vaga de sucessor e abre caminho para o surgimento de alternativas em um cenário hoje marcado pela baixa renovação.

Jair Bolsonaro (PL), o primeiro presidente a tentar recondução que fracassou nas urnas desde a criação dessa possibilidade, em 1997, também prometeu na campanha de 2018 que poderia abrir mão de concorrer neste ano –e acabou, como se sabe, mudando os planos.

Lula, que em julho começou a falar sobre o assunto em público, atribui a decisão à idade. Ele tem 77 anos e estaria com 81 na próxima corrida presidencial. Além disso, indica querer dar espaço a novos nomes e deixar a carreira eleitoral em um momento de alta, caso o novo mandato seja bem-sucedido.

O compromisso de não ser um nome no xadrez eleitoral, já firmado na largada, é inusual. Bolsonaro, logo após ser eleito, modulou o discurso para reforçar que só evitaria tentar um novo mandato caso o Congresso aprovasse, com aplicação imediata, o fim do instrumento da reeleição.

Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi outro que chegou à Presidência, em 1995, dizendo-se desinteressado em uma recondução. Seu governo articulou a emenda constitucional que estabeleceu o mecanismo, e o tucano foi o primeiro beneficiado por ela, saindo vitorioso do pleito de 1998.

Embora precoce, a discussão sobre a sucessão de Lula é pano de fundo para a transição e a montagem do novo governo. Potenciais presidenciáveis, o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) e os prováveis ministros Fernando Haddad (PT-SP) e Simone Tebet (MDB-MS) teriam três anos para se cacifarem.

Haddad e Tebet são cotados para ministérios que podem funcionar como vitrine eleitoral, como aconteceu com Dilma Rousseff (PT). Também despontam nas apostas os ex-governadores Flávio Dino (PSB-MA), Wellington Dias (PT-PI) e Rui Costa (PT-BA) e o deputado federal eleito Guilherme Boulos (PSOL-SP).

Lula disse na semana do segundo turno que gostaria de lançar novos líderes, mas que isso não é fácil e depende dos partidos. "Não vou dizer para você como eu vou criar um líder, ele nasce", afirmou à rádio Nova Brasil, na mais recente vez em que se manifestou sobre voltar ao Planalto para um mandato único.

Há a avaliação no universo político de que a sinalização do petista pode ter contribuído para reduzir tensões, na busca de apoios para sua ampla coalizão, e para neutralizar o antipetismo, muitas vezes atrelado a um receio de perpetuação ilegítima do PT no poder, como reiteraram bolsonaristas.

A dúvida é se no governo a anunciada saída de cena ajudará a distender o ambiente, ao estimular a movimentação de outras forças, ou criará atritos internos.

O fortalecimento de opções competitivas, inclusive na centro-direita, seria também um meio de brecar a hegemonia de Bolsonaro na oposição.

"Lula não costuma apostar na política do conflito, mas na do acordo", diz a cientista política Ana Claudia Santano, que pesquisa o tema da reeleição nas Américas e vê chances de o novo presidente costurar algum arranjo para definir quem ungirá.

"Pode ser algo tão surpreendente quanto foi a dobradinha com Alckmin", especula a integrante da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político.

Para Ana Claudia, o gesto do futuro mandatário é "muito adequado" do ponto de vista democrático, por incentivar a ascensão de quadros. Não é descartável, contudo, a hipótese de Lula estar mais preocupado em preservar a biografia. "Normalmente, os segundos mandatos têm resultado e avaliação piores."

A eventual aposentadoria é vista também como um recuo estratégico diante da votação expressiva de Bolsonaro, que ficou apenas 1,8 ponto percentual atrás do oponente, na menor diferença entre os postulantes ao Planalto desde a redemocratização. O país saiu da eleição rachado.

O cientista político Sergio Abranches diz que retornar ao cargo com data para sair não é algo que por si só enfraqueça o petista. A força dele será medida pela capacidade de cumprir as promessas de campanha, afirma o autor, célebre por cunhar o termo "presidencialismo de coalizão".

"Penso que ele está lendo corretamente a conjuntura na qual se elegeu e vai ser presidente, que é de alta demanda social e expectativa de uma construção pluripartidária. Se avançar nisso, estará no caminho certo", afirma ele, que acredita ser crível a promessa de Lula pelas circunstâncias, inclusive de idade.

Abranches considera o aceno do petista útil para a governabilidade, por embutir a sinalização aos agentes políticos de que ele próprio está fora do páreo.

Seria uma forma de desvincular suas ações como presidente de ambições eleitorais, ainda que ele trabalhe por algum aliado de sua preferência.

"O governo de um presidente que, em tese, não vai se reeleger pode ser uma plataforma de surgimento e lançamento de novas lideranças. O problema das atuais é que são regionais, não nacionais."

No entorno de Lula, a intenção de passar a faixa "para outra pessoa", como ele próprio declarou em julho, é vista como decisão pessoal e, como tudo que vem do ex-presidente, será acatada se perdurar até 2026.

O advogado Marco Aurélio de Carvalho, fundador do grupo Prerrogativas e amigo do petista, diz que ter no governo possíveis sucessores "pode promover uma disputa por protagonismo que, se for bem harmonizada, trará bons resultados para a administração, porque todos vão querer entregar o melhor".

Segundo ele, Lula fará valer a "habilidade de harmonizar os espaços que comanda" e, em caso de conflitos envolvendo ministros, aliados e até mesmo o vice, saberá evitar danos.

Carvalho, que integra o grupo jurídico da transição do governo, minimiza ainda desgastes de uma eventual guinada de Lula, caso seja candidato novamente.

"Política é circunstância. Se a situação do país demandar que ele continue e não houver outro nome capaz de aglutinar o nosso campo, ele não vai ter alternativa. E eu não vou achar ruim."

Biógrafo de Lula, o jornalista Fernando Morais afirma que o político tem por hábito desde a época de sindicalista manter promessas feitas em público. "Não me lembro de uma única vez que ele tenha apontado em uma direção e ido em outra. Acho que ele chegou ao momento de criar um sucessor."

Para Morais, é possível o presidente eleito apoiar um candidato de fora do PT, mesmo que "sobrem cotoveladas" no partido. "O sucessor que ele tinha na cabeça anos atrás era o Eduardo Campos. Achava que poderia vir a ser algo natural", diz sobre o pernambucano, filiado ao PSB e morto em 2014.

"Uma suspeita que tenho é que o Lula sabe que esse é o mandato que vai determinar se ele vai entrar para a História pela porta da frente. Isso me faz crer que ele não vai dar 'cavalo de pau' [na decisão de não concorrer], senão já começa estragando a biografia", comenta.

O escritor afirma que, embora o fator idade pese, o amigo tem uma "resistência física surpreendente" e, por se cuidar, está envelhecendo bem. Em setembro, contudo, o então presidenciável disse que "a natureza é implacável" e que "não é possível um cidadão com 81 anos querer a reeleição".

Lula acaba de passar por cirurgia para retirar uma lesão na garganta, mas exames descartaram a volta do câncer, considerado curado desde 2012.
Uma anedota recorrente em seus discursos é sobre a crença de que viverá até os 120 anos.

"A ciência diz que o cara que vai ter 120 anos já nasceu, e eu acho que pode ser eu. Estou reivindicando que seja eu", costuma falar.

Nomes ventilados para a eleição de 2026 Na coalizão de Lula

  • Fernando Haddad (PT-SP)
  • Simone Tebet (MDB-MS)
  • Geraldo Alckmin (PSB-SP)
  • Flávio Dino (PSB-MA)
  • Wellington Dias (PT-PI)
  • Rui Costa (PT-BA)
  • Gleisi Hoffmann (PT-PR)
  • Guilherme Boulos (PSOL-SP)

Na centro-direita e no bolsonarismo

  • Eduardo Leite (PSDB-RS)
  • Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP)
  • Romeu Zema (Novo-MG) Jair Bolsonaro (PL-RJ)
  • Sergio Moro (União Brasil-PR)
  • Ratinho Júnior (PSD-PR)

Fonte: Folhapress

Imprimir