Cidadeverde.com
Cidades

'Não temos dinheiro para nada', diz diretor da Ufpi após bloqueio de recursos

Imprimir

A Universidade Federal do Piauí (UFPI) anunciou nessa terça-feira (29) que sofreu um bloqueio de um pouco mais de R$ 5,2 milhões de reais em seu orçamento. De acordo com o diretor de Gestão de Recursos da UFPI, Ricardo Allagio, a Universidade nunca havia sofrido uma suspensão desse tipo nos últimos meses do ano, já que normalmente, a Instituição ganha uma verba extra para fechar as despesas.

“É uma situação que nunca a Universidade Federal em toda a sua história enfrentou porque geralmente no mês de dezembro, é um mês que temos uma verba extra, um dinheiro para fechar as contas, dezembro é sempre àquela hora que vem para fechar e isso ano nos estamos vendo exatamente o contrário”, destaca Ricardo Allagio. 

Esse já é o terceiro bloqueio no orçamento que a Universidade Federal do Piauí (UFPI) sofre em 2022. A UFPi iniciou o ano com um orçamento de custeio em cerca de R$ 100 milhões, mas após uma série de bloqueios, esse valor ficou em cerca de R$ 95 milhões, obrigando uma redefinição do planejamento orçamentário. 

“É o terceiro bloqueio desse ano, nós já tínhamos tido um julho um bloqueio de R$ 12 milhões e depois houve um corte em cima desse bloqueio de R$ 6 milhões, o que diminui nosso orçamento nessa mesma quantia, nós tínhamos um orçamento de R$ 100 milhões e passou para R$ 94 milhões. Na véspera da eleição também houve um bloqueio, mas houve uma grande organização contra esse bloqueio e isso foi superado rapidamente, um pouco menos de uma semana e agora tivemos uma grande surpresa, não era esperado”, diz o diretor. 

O diretor de Gestão de Recursos acrescenta que a Instituição tem até o dia 9 de dezembro para empenhar suas despesas e espera que a suspensão do valor não seja finalizada.  

“Se a gente olhar para o exemplo de outubro, a gente espera que seja desbloqueado. Nós temos uma data que é até o dia 9 de dezembro, que é o último dia para empenhar qualquer despesa aqui dentro da Universidade, a não ser que o próprio Ministério da Fazenda adie essa data, mas não tenho nenhuma certeza quanto a isso, também não temos nenhuma certeza se esse bloqueio vai ser desfeito”, diz Ricardo Allagio.

 

 

Rebeca Lima
[email protected] 

Imprimir