Cidadeverde.com
Últimas

Falso profeta é preso prometendo casas e “outras vidas” para 70 pessoas no Piauí

Imprimir
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_12.jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_14.jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_14_(4).jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_14_(3).jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_14_(2).jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_14_(1).jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_13.jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_12_(2).jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_12_(1).jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_29_11_(1).jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_26_26_(1).jpeg Divulgação / PCPI
  • WhatsApp_Image_2022-12-02_at_11_26_24.jpeg Divulgação / PCPI

A Polícia Civil voltou a prender o falso profeta Luís Pereira dos Santos em uma comunidade com mais de 70 pessoas no município de Cocal de Telha (a 124 km de Teresina). É a segunda vez que Luís Pereira é preso no estado por estelionato e tentando enganar famílias vulneráveis. A prisão aconteceu na última quinta-feira (1º/12) na localidade conhecida como “Terra Prometida”. 

Luís Pereira já foi preso em 2012 em Teresina por prática semelhante. À época ele fundou uma igreja onde pregava para 300 fiéis sobre o fim do mundo. Naquele ano, Luís foi indiciado por estelionato. As vítimas relataram que deram até R$ 3 mil para o profeta. 

Já em Cocal de Telha, o falso profeta realizava reuniões periódicas com “pregações” sobre a “outra vida” e prometia aos membros da comunidade que construiria casas para eles.  

Para isso, as 15 famílias que moravam na localidade precisavam contribuir semanalmente para Luís Pereira. O valor, segundo a delegada Kamila Martins, variava mas a média era de R$ 100. Aqueles que não podiam pagar, realizavam serviços para Luís Pereira.

“A investigação aponta que o estelionato consistiria em obter dinheiro e trabalho dos moradores, dizendo que iria construir casas para elas, quando na verdade somente poucas casas foram construídas e famílias com 7 pessoas ou mais moram em residências de um único cômodo”, destacou a delegada. 

Foto: Yala Sena / Cidadeverde.com 


Luis Pereira dos Santos durante entrevista em 2013

Segundo as investigações, o falso profeta possui estrutura desproporcional se comparado aos demais membros da comunidade. Segundo informações da Polícia, algumas mulheres da comunidade também trabalhavam na casa dele sem receber remuneração. 

“Terra Prometida” 

As reuniões conduzidas por Luís Pereira tratavam também sobre o comportamento dos seguidores. Há informações, ainda de acordo com a delegada, de supostas ameaças, caso os membros da comunidade não cumprissem com o que ele pregava. 

“Segundo relatos, ele dizia que um mal se abateria sobre a pessoa. A  família se desestruturaria, iriam para o inferno e existia multa para punir alguns comportamentos, chegando à expulsão da família do local”, acrescentou a delegada. 

Crimes

De acordo com a delegada, Luís Pereira foi preso suspeito das práticas de estelionato, favorecimento sexual de uma criança e adoção brasileira (registrar filho de outra pessoa como seu). 

Sobre o favorecimento sexual, segundo relatos de testemunhas à delegada Kamila Martins, o suspeito ofereceu uma criança de 10 anos em casamento para um seguidor de 40 anos. 

Durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão, os agentes de Polícia Civil encontraram R$ 3 mil em espécie, várias cópias de documentos de todos os moradores da comunidade, além de documentos e cadernos com anotações que indicam a prática de estelionato, segundo a delegada. 

O falso profeta foi preso em Cocal de Telha e conduzido para a Delegacia de Piripiri, onde passou por audiência de custódia e teve a prisão mantida pelo juiz. 


Nataniel Lima
[email protected] 

Imprimir