Cidadeverde.com
Geral

Casos de Covid estarão em alta até janeiro devido Copa do Mundo e festas de fim de ano

Imprimir

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com

As aglomerações para compras de fim de ano, assistir aos jogos da Copa do Mundo e as festas de Natal e Ano Novo vão impulsionar a alta de casos de Covid-19 -já notada há algumas semanas no país- até janeiro. É o que dizem os especialistas ouvidos pela Folha.

"Na verdade, já estão impulsionando. O que a gente enxerga é muito menor do que acontece de verdade. Esses fenômenos causam aglomeração, muita circulação de pessoas num momento de aumento de casos e variantes altamente infectantes, e de quebra da cobertura vacinal, sobretudo as de reforço. Isso contribui muito para a disseminação do vírus", afirma Evaldo Stanislau de Araújo, infectologista do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Para Araújo, ainda é impossível predizer quando a transmissão do coronavírus começará a desacelerar. Segundo o médico, uma característica do momento atual da Covid-19 é que as ondas estão cada vez mais próximas umas das outras e trazem um número maior de reinfecções.

"As pessoas perderam o medo, normalizaram a Covid-19 e a tratam como se fosse uma gripe, o que é um erro. Mesmo as formas leves da doença podem trazer consequências futuras, como danos neurológicos, cardiológicos e respiratórios, além da Covid prolongada. E há possibilidade de a reinfecção levar a formas graves e complicações tardias", diz o infectologista do HC.

As medidas de contenção, como uso da máscara -principalmente em ambiente fechado, sem renovação de ar e com aglomeração- e o esquema vacinal completo, inclusive com as doses de reforço, são essenciais para o controle da Covid-19

Para as festas e reuniões, vale o alerta: para maior segurança, é recomendada a testagem de todos os convidados no mesmo dia do evento. "Hoje, temos a facilidade de encontrar autoteste disponível nas farmácias", lembra Araújo.

Para Wallace Casaca, coordenador da plataforma SP Covid-19 Info Tracker, criada por pesquisadores da USP e Unesp para acompanhar a evolução da pandemia, vamos conviver com aumentos pontuais de novos casos até janeiro.

"Existe uma subnotificação em razão de falta de testagem e de políticas públicas de incentivo à testagem. E os autotestes não são notificados. Esses fatores diminuem a precisão na hora de mensurar o impacto real da doença. Por outro lado, é possível aferir um aumento substancial de novos casos de Covid, além da elevação das internações e mortes, embora em patamares inferiores em relação às ondas da doença em 2020, 2021 e início de 2022", afirma Casaca.

"Em países que tiveram surtos da doença pelas mesmas subvariantes, a Covid levou cerca de um mês para atingir o pico de casos, se manteve em platô por alguns dias e iniciou o processo de descida, que levou cerca de 20 dias. Cabe explicar que o ritmo de crescimento de casos não é o mesmo em todas as regiões do país, embora o consolidado do Brasil mantenha tendência de crescimento atualmente", explica o coordenador da plataforma.

Na avaliação de Alexandre Naime Barbosa, professor da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, o pico dos casos de Covid deve ser atingido em duas semanas, ficará em platô até a primeira quinzena de janeiro e depois começa a desacelerar.

"Isso porque as festas de final de ano são momentos de muita transmissão. Já fui consultado por grandes empresas que perguntaram se deveriam ou não fazer festa de confraternização e eu disse que não. Ainda não é o momento de expor uma população que pode ser vulnerável à infecção pelo vírus", diz Barbosa.

O cientista ressalta que a regra também vale para festas familiares. "As que expõem pessoas vulneráveis são desaconselháveis." Segundo o médico, quem for a estes eventos deve evitar contato com idosos e imunossuprimidos.

Segundo Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, da Fiocruz, a situação é de crescimento acentuado com impacto nas internações. "Aonde chegará e as consequências só saberemos com o tempo. Quando começar a diminuir, teremos que olhar para trás e ver qual foi a magnitude."

Para Gomes, a alta de casos de Covid-19 deverá impactar o início do próximo ano. "Tem muita gente nos centros comerciais, nas feiras de rua, nos shoppings centers. O deslocamento nas viagens associado ao Natal e Ano Novo também vai provocar uma mistura grande, inclusive levando cenários de um determinado local a impactar o de outras cidades."

Marcelo Gomes ressalta que os cenários são diferentes nas regiões do país. "No estado de São Paulo, por exemplo, já dá para enxergar uma desaceleração; no Rio de Janeiro também, mas de forma mais lenta. Em outros estados, ainda é a fase inicial e o número de casos poderá chegar no auge justamente na virada do ano", alerta.

O Boletim InfoGripe Fiocruz, divulgado em 29 de novembro, mantém o alerta para o crescimento dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave por Covid-19 em todas as regiões do país. Essa tendência está presente especialmente na população adulta e nas faixas etárias acima de 60 anos.

Até a semana epidemiológica 47 -entre os dias 20 e 26 de novembro-, 20 das 27 unidades federativas apresentaram crescimento moderado na tendência de longo prazo: Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Roraima, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo.

 

Fonte: Folhapress (Patrícia Pasquini)

Imprimir