Cidadeverde.com
Picos

Suspeito de assassinar ex-jogador da Sep ainda não foi ouvido pela Polícia

Imprimir

Foto: PM-PI

Na manhã desta segunda-feira (05) o delegado titular da Delegacia de Homicídios, Tráfico de Drogas e Latrocínio (DHTL), Agenor Lima, informou que o homem de iniciais J.G.I., suspeito de assassinar Jailson Alves da Silva ainda não foi ouvido pela Polícia. 

Seis dias após ser preso preventivamente, J.G.I se encontra na Central de Flagrantes onde será interrogado. O procedimento policial tem por objetivo coletar informações e esclarecer fatos levantados durante a investigação do homicídio.

J.G.I. é suspeito de efetuar o disparo de arma de fogo que tirou a vida do ex-jogador da Sep, Jailson Alves da Silva. O crime ocorreu em 18 de abril deste ano e a vítima foi assassinada com um disparo de arma de fogo. No momento do ocorrido, Jailson estava na companhia da filha no quintal da residência.  

Agenor Lima explicou que o autor do homicídio foi identificado após vestígios de objeto utilizado no crime ter compatibilidade genética com o DNA do suspeito. O material foi analisado pela Perícia Criminal. 

"A Perícia Criminal de Picos coletou um objeto utilizado para a prática criminosa do disparo. Esse objeto foi submetido a perícia criminal e o exame pericial constatou a compatibilidade com o material genético do suspeito, exame de DNA. Juntamente com os depoimentos constam nos relatórios de investigação e demais deligências que a gente chegou a autoria desse crime", explicou o delegado.

A prisão

Nesta quarta-feira (30) a Polícia Civil do Piauí através da Delegacia de Homicídios,Tráfico de Drogas e Latrocínio (DHTL) efetuou a prisão do suspeito de assassinar o ex-jogador da Sep, Jailson Alves da Silva, morto em abril deste ano. A ação ainda contou com o apoio do Patrulhamento Rural do 4° Batalhão de Polícia Militar.

O suspeito identificado pelas iniciais J.G.I., reside no Povoado Capitão de Campos, zona rural de Picos. Em desfavor do mesmo foi expedido pela 5ª Vara da Comarca de Picos mandado de prisão preventiva pelo crime de Homicídio Qualificado.

 

Paula Monize

[email protected]

 

Imprimir