Cidadeverde.com
Esporte

Messi, Deschamps, 0 a 0: veja recordes que ainda podem ser atingidos na Copa

Imprimir

Com três semanas de disputa, 60 dos 64 jogos disputados e somente quatro seleções na luta pela Taça Fifa, alguns recordes foram batidos na Copa do Qatar.

Há outros que ainda podem ser igualados ou superados neste Mundial até o seu encerramento, no domingo (18).

A Copa qatariana já se notabilizou por ser a primeira no Oriente Médio e a primeira a ter mulheres na arbitragem, além de registrar a maior decepção futebolística de um país-sede: perdeu todos os seus jogos no torneio.

MAIS PARTIDAS - JOGADOR

Um recorde que está bem próximo de ser derrubado, e é altamente provável que isso aconteça, envolve Lionel Messi, o principal craque da Argentina e um dos melhores jogadores deste século.

Com sua seleção em busca do tricampeonato, a "Pulga" (apelido do camisa 10) poderá jogar mais duas partidas: uma é a semifinal; a outra, a final ou o jogo que vale o terceiro lugar.

Messi tem atualmente 24 partidas em Copas do Mundo (este é o seu quinto torneio). O recordista é o alemão Lothar Matthäus (campeão mundial em 1990), com 25 jogos.

Ou seja, se Messi atuar mais duas vezes, o que é factível, provável até, ele se tornará aos 35 anos o jogador com mais jogos em Mundiais.

TÉCNICO BICAMPEÃO

O italiano Vitorio Pozzo (1886-1968), com a seleção de seu país, é o único treinador a conquistar duas Copas do Mundo, na Itália-1934 e na França-1938.

Agora, o francês Didier Deschamps, 54, tem a oportunidade de se igualar a Pozzo, já que comandou os Bleus (Azuis) no Mundial de 2018, na Rússia.

Deschamps tem também no currículo um título de Copa como jogador. Era o capitão francês na conquista em casa, em 1998.

COPA ARTILHEIRA

Encerradas as partidas das quartas de final, a Copa do Qatar soma 157 gols.

No atual formato (32 seleções), que existe desde 1998, as edições que registraram mais bolas na rede foram as da França-1998 e do Brasil-2014: 171 gols cada uma.

Essa marca só tem chance real de cair caso os semifinalistas não sejam "econômicos" nos jogos que lhes restam no Oriente Médio.

DISPUTAS DE PÊNALTIS

A Copa do Qatar já teve quatro vagas decididas nas cobranças de penalidades máximas, nos jogos Croácia x Japão, Marrocos x Espanha, Croácia x Brasil e Argentina x Holanda.

Esse número é o mesmo dos Mundiais de Itália-1990, Alemanha-2006, Brasil-2014 e Rússia-2018.

Com mais uma disputa de pênaltis, o atual torneio se torna o recordista isolado.

EMPATES SEM GOLS

O Mundial qatariano igualou, com o 0 a 0 entre Espanha e Marrocos nas oitavas de final, o maior número de partidas sem abertura de contagem em uma edição de Copa, sete.

Antes, quatro Mundiais tiveram sete empates sem gols, Espanha-1982, Alemanha-2006, África do Sul-2010 e Brasil-2014.

Os outros 0 a 0 no Qatar, além do duelo entre espanhóis e marroquinos, foram Dinamarca x Tunísia, México x Polônia, Marrocos x Croácia, Uruguai x Coreia do Sul, Inglaterra x EUA e Croácia x Bélgica.

ARTILHEIRO HISTÓRICO

Este é um recorde improvável de ser atingido, porém, em se tratando de quem tem chance, a hipótese não pode ser descartada.

Klose lidera a lista dos jogadores que mais gols fizeram em Copas. O alemão tem 16. Messi soma dez pela Argentina, e Mbappé, nove pela França.

Será que dá?

Entre as marcas que caíram no Mundial do Qatar, duas são mais destacadas e merecem ser lembradas.

GOLS EM CINCO COPAS

O craque português Cristiano Ronaldo, ao marcar de pênalti contra Gana, tornou-se o único jogador a fazer pelo menos um gol em cinco edições de Copa.

Ele está à frente de Pelé, de Messi e dos alemães Seeler e Klose, que balançaram as redes em quatro edições de Mundial.

MAIS PARTIDAS - SELEÇÃO

Brasil e Alemanha começaram a Copa do Qatar, cada um, com 109 partidas em Mundiais.

Como a seleção brasileira foi mais longe, até as quartas de final (os alemães ficaram na fase de grupos), ela se isolou no topo desse ranking, com 114 jogos.

Fonte: Folhapress

Imprimir