Cidadeverde.com
Últimas

Jovem de 22 anos invade escola e fere duas professoras a facadas em São Paulo

Imprimir

Foto: Polícia Militar/Divulgação

Um ex-estudante de 22 anos invadiu uma escola estadual e feriu com golpes de faca duas professoras na noite desta quarta-feira, 14, em Ipaussu, no interior de São Paulo. O agressor fez outro professor refém, colocou a faca em seu pescoço e resistiu à abordagem da polícia, mas acabou se entregando. À polícia, ele alegou que foi vítima de bullying quando tinha 12 anos e decidiu se vingar. Uma das professoras agredidas está internada em estado grave.

O ataque, na Escola Estadual Professor Mastrodomênico, chocou a população da cidade paulista de 15 mil habitantes. Segundo a Polícia Civil, o homem identificado como Tiago Oliveira Silva não é ex-aluno da escola e seu alvo seria a diretora do colégio, que não estava no local.

Para entrar na escola, Silva abordou o porteiro e pediu para usar o banheiro. Com a proximidade das férias escolares, apenas os professores estavam no estabelecimento. Quando o servidor foi buscar a chave, Silva pulou o muro e invadiu o local. Ele estava com duas facas e um simulacro de arma de fogo.

No corredor, ele se deparou com a professora Beatriz Belo de Miranda, que tentou fugir ao vê-lo empunhando a faca. Ela foi atingida pelos golpes nas costas. A vice-diretora Luciene Rose de Lemos tentou ajudar a colega e tirar a arma do agressor, mas também foi atingida no ombro e no braço. O professor Danilo Lincoln Apolinário tentou conter o ex-aluno e foi dominado por ele. Além de levar coronhadas na cabeça, ele teve a faca encostada no pescoço até a chegada da polícia.

Policiais militares conseguiram, após rápida negociação, desarmar e dominar Silva. Ele foi levado à delegacia da Polícia Civil e preso em flagrante por lesões corporais e tentativa de homicídio. De acordo com o delegado Marcelo de Assis Aliceda, o alvo dele era a diretora da escola. "Ele disse que sofreu bullying em outra escola há dez anos e guardou o ódio que tinha da diretora da época, que agora trabalha na escola onde ele fez o ataque. Ele falou que foi na escola atrás da diretora, mas ela não estava na escola. Disse que não era sua intenção ferir os professores."

O agressor foi levado para uma cadeia da região e deve passar por audiência de custódia nesta quinta-feira, 15. A professora Beatriz foi internada na Santa Casa de Ourinhos, com provável perfuração do pulmão. Na manhã desta quinta, ela estava em unidade de terapia intensiva, em estado grave. A vice-diretora recebeu cuidados médicos e foi liberada. O professor feito refém não sofreu ferimentos.

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo disse em nota que lamenta o ocorrido e repudia toda forma de violência dentro e fora da escola. "As servidoras atingidas foram imediatamente socorridas pela equipe da unidade escolar e encaminhadas para hospitais da região pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência)." Segundo a pasta, não havia estudantes no local no momento do ocorrido e o ex-aluno foi detido pela polícia.

A Diretoria de Ensino de Ourinhos informou que, juntamente com a escola, colabora com as investigações. "A equipe central do Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar (Conviva-SP) presta apoio às servidoras e à comunidade escolar", disse. As aulas do período matutino desta quinta-feira foram suspensas.

Mortes no Espírito Santo

No fim de novembro, um adolescente de 16 anos deixou quatro pessoas mortas - três professoras e uma aluna de 12 anos - após invadir duas escolas em Aracruz, no norte do Espírito Santo. No momento do crime, o adolescente ostentava uma suástica - símbolo nazista - em um dos braços, além de roupa tática e duas armas (uma pistola .40 e um revólver 38 pertencentes ao pai policial)

No começo do mês, o juiz da Vara da Infância e Juventude da cidade, Felipe Leitão, determinou ao autor dos ataques a pena de até três anos de internação em unidade socioeducativa. O tempo de confinamento é o máximo previsto na legislação para adolescentes que ainda não atingiram a maioridade penal.

 

Fonte: Estadão Conteúdo 

Imprimir