Cidadeverde.com
Geral

Naufrágio de navio deixa 31 pessoas desaparecidas na Tailândia

Imprimir

 

 

Ao menos 31 pessoas desapareceram após um navio naufragar na da Tailândia na noite de domingo (18). A Marinha do país anunciou nesta segunda-feira (19) que está realizando uma operação de resgate.

"Estamos procurando 31 dos 106 tripulantes do HTMS Sukhothai", anunciou o almirante Pogkrong Montradpalin, porta-voz da Marinha Real Tailandesa.

Os tripulantes "perderam o controle" do navio, que afundou pouco depois da meia-noite devido às fortes marés no Golfo da Tailândia, após o sistema elétrico ser danificado, afirmou o almirante.

Após uma "forte maré", o sistema elétrico da corveta de patrulha foi danificado, provocando o desligamento das máquinas que garantiam seu funcionamento, explicou o porta-voz.
Imagens divulgadas pela Marinha mostram o navio totalmente inclinado para um lado, metade dele afundado nas águas do mar

Quase 75 membros da tripulação foram socorridos pela operação de salvamento, que inclui dois helicópteros militares, duas fragatas e um navio anfíbio, informou a Marinha.

Aproximadamente 11 pessoas foram hospitalizadas em Bang Saphan.

Diversas regiões do sul da Tailândia foram atingidas por fortes chuvas nos últimos dias que provocaram a interrupção da circulação de embarcações entre o continente e a ilha turística de Koh Samui, domingo e segunda-feira (19).

O primeiro-ministro, Prayut Chan-o-Cha, anunciou uma investigação sobre a causa do incidente.

"Estou acompanhando de perto as notícias, cinco pessoas estão gravemente feridas", declarou em um comunicado.

O Sukhothai HTMS, de fabricação americana, entrou em operação em 1987, de acordo com o centro de estudos US Naval Institute.

Várias regiões do sul da Tailândia foram afetadas nos últimos dias por tempestades e chuvas intensas.

Em 2018, uma embarcação que transportava turistas chineses virou nas proximidades da ilha de Phuket, na costa oeste da Tailândia. Mais de 40 pessoas morreram, em uma das maiores tragédias marítimas da história recente do país.

 

Fonte: Folhapress 

Imprimir