Cidadeverde.com
Vida Saudável

Janeiro Branco: campanha chama atenção para os cuidados com a saúde mental

Imprimir

 

Foto: Freepik

 

Dados mostram uma crescente nos casos de transtornos mentais no Brasil e no mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 720 milhões de pessoas sofrem com doenças mentais - aproximadamente 10% de toda a população mundial. Para além dos desafios originados pela recente pandemia, lidar com os problemas de saúde mental da população tem despontado como uma das prioridades de instituições públicas e privadas. No Brasil, a campanha Janeiro Branco foi instituída justamente para chamar atenção para o tema.

O mês de janeiro foi escolhido porque é nele que as pessoas estão mais focadas em resoluções e metas para o novo ano que se inicia. Segundo a psicóloga Laura Castro, foram observados diversos avanços no que se refere à discussão do tema, que até pouco tempo atrás era visto como tabu e pouco abordado fora das rodas de conversas entre profissionais.

“Falar sobre saúde mental tem ajudado muita gente a entender que se trata de um problema de saúde que, assim como qualquer outro, deve ser encarado com seriedade e cuidado. Campanhas como o Janeiro Branco visam a conscientização sobre a importância do tema ser mantido em pauta e desmistificar a busca por ajuda profissional quando necessário. Hoje está mais claro o quanto saúde mental é uma questão de saúde pública, ainda assim, há muito para evoluirmos na compreensão do papel das organizações em garantirem que novas políticas sejam desenvolvidas e implementadas, e visando resguardar um cuidado com menos estigma e abordado com a seriedade necessária”, diz.

Em meio a tanta informação sobre o tema, Laura ressalta que, um dos aspectos centrais quanto a conscientização da população, é sobre a importância de se ter cuidado com o autodiagnóstico.

“Muitas pessoas acreditam que um breve momento de tristeza ou dificuldade pode ser sinal de depressão, o que muitas vezes, infelizmente, é validado por profissionais de saúde. No entanto, o diagnóstico, que determina a decisão sobre a conduta terapêutica, é um dos temas mais complexos em saúde mental. Às vezes é demorado para que se estabeleça um diagnóstico e tratamento adequados, e esse é um ponto extremamente sensível para o qual ainda carecemos de conscientização e clareza, haja visto o excesso de medicalização do sofrimento que observamos hoje, com o consumo de psicotrópicos (antidepressivos, ansiolíticos, antipsicóticos, etc) nas alturas, atingindo recordes anualmente. Diagnósticos e prescrições precipitadas estão muitas vezes entre as causas raiz de transtornos mentais, principalmente em crianças, adolescentes e jovens adultos, podendo traçar destinos catastróficos, impactando a funcionalidade por toda a vida ”, explica.

Há sim sinais que chamam a atenção e requerem tratamento e intervenções precoces, mas é importante uma avaliação especializada para que não se confundam com aspectos da personalidade que se transformam ao longo do desenvolvimento e de diferentes fases da vida. Um indivíduo mais extrovertido, por exemplo, que esteja mostrando comportamentos mais introvertidos, não necessariamente é um sinal de alerta, mas a perda de funcionalidade sim, pode ser.

“É necessários que a população receba orientações para identificar alguns sinais, mas, mais importante, de modo que possam o fazer sem preconceitos, pois isto é o que mais atrasa intervenções precoces e efetivas, o estigma de ser taxado de louco, por isso, a busca por opinião profissional especializada é fundamental para um diagnóstico preciso”, aponta a especialista.

A profissional ressalta que um dos grandes desafios atuais encontrados para o diagnóstico e a manutenção da saúde mental é resultado do isolamento e das transformações socioeconômicas impostas pela covid-19, que somadas ao cenário político mundial atual e ao constante fluxo de notícias ruins, vêm afetando significativamente a integridade psíquica  de muitos, aumentando as ocorrências de crises de ansiedade advindas das ameaças de instabilidade e de sintomas depressivos relacionados às perdas e lutos de tantos, também a cronicidade do clima de tensão e estresse.

“Vale ressaltar que ansiedade e depressão são entidades clínicas diferentes, bem como seus respectivos tratamentos. Há casos mais graves para quem a prescrição de medicamentos é necessária, além da psicoterapia, mas há outros em que não, penso que a maioria até, para quem a medicação “poderia” ser uma escolha”, explica.

Embora as datas sejam marcos importantes e de relevância, a sociedade não deve se lembrar da saúde mental apenas no janeiro branco ou no setembro amarelo. “As datas e campanhas nos ajudam a conscientizar sim, mas a esperança é de que as pessoas, as instituições de saúde, órgãos públicos responsáveis e profissionais da área, estejam cada vez mais dispostos à desestigmatização e sempre atentos aos cuidados necessários”, finaliza.

 

 

Da Redação
[email protected]

Imprimir