Cidadeverde.com
Entretenimento

Morre Jeff Beck, um dos maiores guitarristas da história do rock, aos 78 anos

Imprimir

 

 

O guitarrista Jeff Beck, um dos maiores ícones do instrumento na história do rock, morreu na última terça (10), aos 78 anos, em Surrey, na Inglaterra, após contrair uma meningite bacteriana. A informação foi divulgada pela conta oficial do britânico no Twitter.

"Em nome de sua família, é com profunda e intensa tristeza que compartilhamos a notícia da morte de Jeff Beck", diz a publicação. "Depois de contrair repentinamente uma meningite bacteriana, ele morreu pacificamente ontem. Sua família pede privacidade enquanto processa esta tremenda perda."

Beck nasceu em 1944, em Wallington, no sul de Londres. Ele começou a carreira como músico de estúdio até que, em 1965, assumiu o posto de guitarrista da banda Yardbirds, substituindo Eric Clapton.

O grupo, ícone do rock inglês nos anos 1960, ficou marcado na história por ter tido em suas formações três dos grandes guitarristas do gênero. Além de Beck e de Clapton, o integrante do Led Zeppelin, Jimmy Page, também fez parte da banda.

Beck ficou pouco tempo nos Yardbirds -apenas 20 meses-, mas foi durante sua passagem que o grupo lançou suas músicas mais conhecidas, como o álbum "Roger the Engineer", de 1966. Ele saiu da banda no mesmo ano, após algumas rusgas com outros integrantes em uma turnê pelos Estados Unidos.

Mas foi com o Jeff Beck Group e em carreira solo que o músico fez fama, a partir do fim da década de 1960. O álbum "Truth", de 1968, marcou a estreia solo do guitarrista, influenciando o que viria a ser o heavy metal, anos depois.

O Jeff Beck Group, logo em sua primeira formação, a banda contava com Rod Stewart, então desconhecido, como vocalista, e Ron Wood, que viria a tocar nos Rolling Stones, na guitarra. Eles lançaram álbuns no começo dos anos 1970, com diferentes formações.

Mas Beck se afirmou como artista solo na década de 1970, com seus álbuns mais famosos -"Blow by Blow", de 1975, produzido por George Martin, e "Wired", de 1976. Foi a era que marcou sua transição para um estilo de rock mais instrumental, na fronteira com o jazz, obtendo sucesso comercial apesar disso.

Ao longo dos anos, Beck ficou conhecido pela habilidade e técnica com a guitarra, que, diferente da maioria dos instrumentistas ao redor do mundo, ele tocava sem usar palheta. O guitarrista abandonou o objeto e passou a tocar com os dedos a partir do álbum "Jeff Beck's Guitar Shop", de 1989.

Nos anos 1980 e 1990, sua produção ficou mais rara, e ele fez aproximações com a música pop, colaborou com Nile Rodgers, guitarrista do Chic e ícone da música disco, e chegou a usar elementos do techno em suas músicas.

Sua importância na guitarra dentro do rock também está relacionada ao aperfeiçoamento de algumas técnicas. Beck foi um dos nomes que desenvolveram o uso da distorção e os efeitos de feedback, ainda uma novidade nos anos 1960.

Apesar de muito ligado ao rock, seu estilo de tocar tinha como base o blues e incorporava elementos do jazz fusion e do hard rock, além da música eletrônica. Apesar de reconhecido pelo talento na guitarra, Beck nunca foi tão popular e nem vendeu tantos discos quanto outros grandes nomes do instrumento na história do rock.

Além da carreira solo, Beck tocou guitarra em vários álbuns de cantores e bandas de rock, incluindo Bon Jovi, Roger Waters, Kate Bush, Morrissey e Ozzy Osbourne, entre muitos outros. Seu projeto mais recente foi o álbum "18", em parceria com o ator Johnny Depp, com quem saiu em turnê ao longo de 2022.

Apontado por guitarristas como um dos nomes mais influentes no instrumento, Beck já foi reconhecido diversas como um dos grandes, sendo nome frequente nas eleições de melhores de todos os tempos. Na lista de melhores guitarristas da revista americana "Rolling Stone", ele aparece em quinto lugar.

O britânico ainda ganhou oito Grammys ao longo da carreira, sendo o primeiro em 1985 e o último em 2010. Sete destes prêmios foram em categorias de música instrumental.

Ele também entrou duas vezes para o Hall da Fama do Rock and Roll -uma delas, em 1992, como membro dos Yardbirds, e a outra, em 2009, como artista solo.

No Twitter, Jimmy Page homenageou o guitarrista. "O guerreiro das seis cordas não está mais aqui para que possamos admirar o feitiço que ele tecia em torno de nossas emoções mortais. Jeff, vou sentir sua falta, assim como seus milhões fãs."

Outro que falou sobre a morte de Beck foi Mick Jagger. "Com a morte de Jeff Beck, perdemos um homem maravilhoso e um dos grandes guitarristas do mundo", o vocalista dos Stones escreveu. "Vamos sentir muito a falta dele."

 

Fonte: Folhapress (Lucas Brêda)

Imprimir