Cidadeverde.com
Vida Saudável

Saúde ocular infantil: Quatro dicas para uma volta às aulas mais saudável

Imprimir

 

Foto: Divulgação

 


Passadas as festas de final de ano e a época de férias, o mês de janeiro costuma ser dedicado ao planejamento das diferentes atividades que virão a seguir. Para os pais, esse também é um importante período de organização escolar, com a preparação dos filhos para uma volta às aulas com segurança e tranquilidade.

É comum que os pais fiquem preocupados com as listas de materiais, uniforme, transporte e alimentação, mas acabem esquecendo de um tópico imprescindível: a saúde ocular dos pequenos.
 

Confira quatro dicas para garantir uma volta às aulas mais saudável e segura:

- Notar diferenças no comportamento da criança

Por ainda não terem um domínio significativo do próprio corpo, é comum que os pequenos não percebam quando existe algo de errado com sua saúde. Desta forma, é fundamental que os pais e responsáveis fiquem sempre atentos ao comportamento e às queixas das crianças. Sinais como aproximar demais os itens do rosto, sentar muito próximo à televisão ou outros aparelhos, tropeçar com frequência em móveis e objetos, além de sintomas físicos como dores de cabeça, lacrimejamento em excesso, presença de secreções anormais nos olhos, vermelhidão, coceira, inflamação, alta sensibilidade à luz, entre outros, podem indicar algo errado no sistema ocular infantil. 


- Conversar com os professores

Problemas na saúde ocular infantil podem acarretar sérios danos ao aprendizado, como a queda no desempenho escolar e complicações no desenvolvimento de atividades e brincadeiras em grupo. Por isso, além dos pais, os professores também devem estar atentos ao comportamento dos alunos, relatando aos responsáveis qualquer dificuldade da criança para enxergar a lousa, ler e escrever, brincar com os colegas, entre outros. 


- Diminuir o tempo em contato com as telas

Segundo um estudo publicado em 2021 pela revista científica The Lancet, o isolamento social provocado pela pandemia contribuiu para que os índices de miopia progredissem cerca de 40% entre os jovens de 5 a 18 anos, que agora gastam mais tempo em contato com as telas de aparelhos eletrônicos. Por esse motivo, é importante limitar o tempo que as crianças passam em contato com dispositivos  como celulares, computadores e televisões e incentivá-las a gastar o tempo livre com brincadeiras analógicas e ao ar livre. 


- Manter um acompanhamento constante junto ao médico oftalmologista

É necessário que o acompanhamento oftalmológico seja realizado desde o nascimento do bebê para evitar problemas oculares futuros. Até os 2 anos de idade, é recomendado que as consultas médicas sejam realizadas a cada 6 meses, já que é nesta fase que os olhos se desenvolvem melhor. Após esse período é indicado que as crianças visitem o oftalmologista anualmente. Esta é a melhor forma de evitar possíveis doenças, além de promover o tratamento para os casos necessários. 

 


Da Redação
[email protected]

Imprimir