Cidadeverde.com
Política

Jobim confirma: destroços achados são do Airbus

Imprimir
O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta terça-feira que o Airbus da Air France, desaparecido desde a noite de domingo (31) no oceano Atlântico, caiu a aproximadamente 400 milhas (740 km aproximadamente) do arquipélago de Fernando de Noronha e a 700 milhas de Recife (1.296 km).
 
Segundo o ministro, "a FAB [Força Aérea Brasileira] definiu que foram localizados materiais metálicos e não metálicos por volta da 0h30 [desta terça-feira] pelo [avião] Hércules no meio do oceano, em um raio de 5 km, a 400 milhas de Fernando de Noronha, em 9.785 km quadrados de área de busca, o que confirmam que avião acabou caindo nessa região".
 
Mapa mostra região onde foram achados os destroços / Agência Brasil
 
Questionado sobre o que o levaria afirmar com certeza que os destroços encontrados são do Airbus-A330 que fazia o voo 447, Jobim afirmou que o fato de o material ter sido encontrado em um raio de 5 km é "suficiente".
 
"Para este efeito [o da identificação do avião] já é suficiente estes 5 km de materiais. Não há como supor que a maré tenha reunido 5 km de material trazido da praia", disse.
 
Jobim esteve reunido no Rio com familiares dos passageiros do avião como representante do governo brasileiro. "Venho prestar lamentações do governo brasileiros com familiares", afirmou o ministro.
 
Segundo ele, algumas famílias dos ocupantes do avião pediram que a identificação não seja divulgada e, por isso, a lista final das vítimas pode ficar incompleta.
 
Voo 447
O voo 447 da Air France desapareceu sobre o oceano Atlântico na noite de domingo (31), com 228 pessoas a bordo --216 passageiros e 12 tripulantes. De acordo com a empresa, havia 58 brasileiros entre os ocupantes.
 
O avião decolou por volta das 19h do aeroporto Tom Jobim, no Rio, com destino a Paris e fez o último contato com o comando aéreo brasileiro por volta das 22h30 de domingo.
 
Segundo a Air France, os passageiros pertencem a 32 nacionalidades, entre italianos, franceses, brasileiros e alemães.
 
Fonte: Folha Online
Tags:
Imprimir