Cidadeverde.com
Geral

Mineradores vão à polícia contra denúncia de Judson Barros

Imprimir
Fotos: DM Mineração
Fotos no site da empresa mostram diamantes do Piauí
 
Em contato com o Cidadeverde.com, diretores da empresa DM Mineração reagiram com indignação às denúncias do ambientalista Judson Barros, que denunciou nesta sexta-feira (5) a extração de diamantes no municípios de Gilbués, região sul do Estado. Segundo Judson, a extração seria ilegal e o garimpo clandestino. Os empresários negam as acusações e prometem tomar providências a respeito do caso. 
 
"Cinco anos ilegal, e cadê a Polícia Federal a Semar? Cadê o Estado? Cadê a Polícia Federal?", questionou Shuky Layosse ao desmentir as denúncias. Ele declarou que a PF, assim como a Secretaria de Meio Ambiente e outros órgãos responsáveis, já vistoriou duas vezes as instalações do garimpo e não constatou qualquer irregularidade.
 
Heraldo Martins acrescentou que as áreas fotografadas por Judson Barros estão totalmente legais, com licença de operação até março de 2010. "Devido a uma denúncia também de procedência irresponsável, fomos fiscalizados duas vezes pela Polícia Federal, que chegou somente para ficar admirado da qualidade e seriedade do trabalho que nós fazemos", acrescentou o empresário, que declarou ter vindo a Teresina para uma reunião, à convite do vice-governador Wilson Martins.
 
 
O diretor fez outro questionamento quanto à acusação de ilegalidade, já que o único imposto pago para a exportação de diamantes deduz 0,02% do valor da nota fiscal. "Só se tivesse um QI abaixo de xero para fazer crime de contrabando se ele pode exportar legalmente pagando esse valor", continuou Heraldo Martins, ressaltando o apoio do Governo do Estado para a instalação da empresa.
 
Os empresários frisaram ainda que a DM Mineração é a primeira empresa do Piauí com certificado para exportação legal de diamantes, datado de março de 2008. Ela já vendeu as pedras preciosas para Emirados Árabes, Bélgica, Israel e Austrália. "Atrair capital estrangeiro para ser tratado como vagabundo, como contrabandista?", indagou Martins, que esteve na Polícia Federal para reclamar das denúncias, e foi orientado a procurar a Delegacia Geral de Polícia Civil.
 
Por fim, a DM Mineração anunciou que está no penúltimo estágio ao qual uma empresa do setor pode chegar: a apresentação do relatório final de seis anos de pesquisa na região para o Departamento Nacional de Produção Mineral. Os dados vão apontar o teor, quantidade, viabilidade econômica, os quilates, entre outros dados de vários estudos para viabilizar a comercialização do minério. E divulgou a página da empresa na Internet - www.dmmineracao.com.br -, com informações em inglês sobre as ações em Gilbués.
 
Tags:
Imprimir