Cidadeverde.com
Geral

Condutor do Samu baleado relembra momento de tensão e pede apoio para a categoria

Imprimir

O condutor do Samu, Anderson Marcos Santos Maranhão, de 43 anos, detalhou o momento em que foi baleado durante um atendimento no bairro Vamos Ver o Sol, na zona Sul de Teresina, no último final de semana. Em entrevista exclusiva à TV Cidade Verde, Anderson pediu ainda mais reconhecimento para a categoria e apoio do poder público.

O condutor relatou que foi o primeiro a ser atingido na perna e logo caiu ao chão com bastante dor. Ele reforça que não sabe de onde vieram os disparos ou quem teria sido o autor.

“No sábado, às 19h a equipe do suporte avançado foi chamada para fazer o atendimento em uma pessoa que havia sido agredida por arma de fogo ali na região do Vamos Ver o Sol. A equipe ao chegar lá se deparou realmente com uma pessoa no chão, sentada, baleada e a gente desceu para fazer o atendimento. Logo que a gente desceu, que a equipe se aproximou da vítima baleada, eu pelo menos só escutei os disparos, não sei dizer de onde partiu os disparos, quem disparou porque um dos primeiros disparos foi o que atingiu a minha perna e eu já estava no chão com muita dor, já sangrando bastante”, disse.

Além dele, a enfermeira Laurimary Caminha foi atingida na coxa. Apesar do momento de desespero, o restante da equipe de atendimento conseguiu colocar as vítimas dentro do veículo e um médico dirigiu a ambulância até o Hospital de Urgência de Teresina (HUT).    

“Eu só lembro da correria, dos gritos, eu ouvi a enfermeira também gritando, daí os demais integrantes da equipes conseguiram colocar a enfermeira dentro da ambulância, já havíamos conseguido colocar também a pessoa que estava baleada e o médico conseguiu me resgatar do chão com a perna quebrada e consegui me colocar dentro da viatura e mesmo em um momento bastante de desespero, o médico conseguiu manobrar a ambulância e nos trazer até o HUT”, acrescentou.

Há 10 anos no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), o condutor Anderson Marcos pediu que a categoria seja reconhecida como profissional da saúde.

“Em algumas cidades do nosso país, o condutor de ambulância já é profissional de saúde e os condutores de ambulância aqui de Teresina, eles necessitam serem reconhecidos como profissionais de saúde. Nós já temos um projeto de lei que já está aí para entrar em pauta e ser votado, então a gente clama por isso porque todos os riscos que os profissionais de saúde que merecem ser reconhecidos como os médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, os técnicos de enfermagem, da mesma forma que eles tem nosso apoio e merecem ser reconhecidos, nós condutores também precisamos”, desabafou.

“Será se é preciso acontecer algo pior, que a gente não deseja e não quer? A gente precisa ser reconhecido como profissional de saúde. Eu peço apoio do poder público de um modo geral para que nos ajude a colocar esse projeto de lei na mesa para que ele seja votado”, finalizou o condutor.

Anderson Marcos ainda segue internado no HUT e passa bem. Ele que já passou por dois procedimentos cirúrgicos na perna, agradeceu o atendimento que vem recebendo no local e o carinhos dos seus colegas de profissão, amigos e familiares.

 

Rebeca Lima
[email protected]

 

 

Você pode receber direto no seu WhatsApp as principais notícias do CidadeVerde.com
Siga nas redes sociais