Cidadeverde.com
Esporte

Messi, Tevez e Mascherano querem Brasil em La Bombonera

Imprimir
Jogadores da seleção argentina como Lionel Messi, Carlos Tévez e Javier Mascherano querem La Bombonera como palco da partida contra o Brasil, pelas Eliminatórias Sul-Americanas à Copa de 2010, no início de setembro.



A informação é de Juan Carlos Crespi, um dos vice-presidentes do Boca Juniors - clube que é dono do estádio. "Tévez, Messi e Mascherano me pediram para jogar lá", afirmou o dirigente, citado pela imprensa local. "O campo do Boca é um local muito estratégico. A força da torcida daria à equipe entre 30 e 40% da vitória que precisamos para garantir vaga no Mundial da África do Sul", completou.

Crespi disse também contar com a aprovação do técnico Diego Maradona, que fez história com a camisa do clube quando jogador, pela "mística" do estádio.

Ele disse que o clube enviou uma nota à federação argentina de futebol para que apresente o estádio do Boca como alternativa para a partida, mas reconheceu que a decisão final será da Fifa.

Uma comissão da Fifa deve inspecionar o estádio Gigante de Arroyito, do Rosario Central. O local, 300 quilômetros ao noroeste de Buenos Aires, foi apontado em princípio como palco da partida devido às reclamações sobre o estado do gramado do Monumental de Nuñez, do River Plate.

O gramado do estádio foi considerado "horrível" por Maradona e isso ficou evidente na vitória de 1 a 0 sobre a Colômbia no início de junho, também pelas Eliminatórias.

Um festival de rock realizado uma semana antes do jogo prejudicou ainda mais o gramado. Dirigentes do River criticaram severamente o treinador, afirmando que suas declarações foram "desmedidas e insolentes".

O dirigente apresentou na AFA uma nota de protesto pelas declarações de Maradona e outra na qual, entre outras coisas, pede a divulgação das cláusulas de seu contrato e se ele realizou algum exame médico antes de assumir.

A Argentina disputou três jogos no estádio do Rosario Central durante o Mundial de 1978 - entre eles um empate por 0 a 0 com o Brasil.

Fonte: Estadão
Tags:
Imprimir