Cidadeverde.com

Jiboia morta medindo mais de 1,5 m chama atenção de motoristas na Avenida Maranhão

Imprimir
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_41.jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_41_(1).jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_39.jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_39_(1).jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_38.jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_37.jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_37_(1).jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_36.jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_36_(1).jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_35.jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_35_(1).jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com
  • WhatsApp_Image_2024-05-17_at_12_05_33.jpeg Renato Andrade / Cidadeverde.com

Por Adriana Magalhães

Uma jiboia medindo mais de 1,5 metros foi encontrada morta em uma árvore na Avenida Maranhão, na manhã desta sexta-feira (17). Uma equipe do Cidadeverde.com esteve no local na companhia da ambientalista Jaqueline Lustosa.

Segundo a ambientalista, trata-se de uma fêmea adulta e é comum encontrar esse tipo de animal próximo a rios.

"Esse animal está no seu habitat natural. As jiboias, sucuris e cobras-verdes vivem aqui nessa região da cidade, próxima aos rios. São animais inofensivos para o ser humano, uma vez que não são peçonhentos. Elas se alimentam de pequenos roedores, mas se encontrarem animais pequenos como pintos e filhotes de gatos elas podem se alimentar deles também", explicou.

Essa espécie pode alcançar até 2,5 metros na sua fase adulta. De acordo com Jaqueline Lustosa, indícios apontam que a cobra pode ter sido morta com pancadas na cabeça e depois colocada no local. Não há marcas de atropelamento. 

"É lamentável! É pura maldade. Nós que vivemos em Teresina já deveríamos estar acostumados com esses animais. Nós vivemos entre dois rios, com muitas áreas de lagoas, então a presença de cobras é comum", explica.

A ambientalista retirou a carcaça do animal da árvore para resguardá-lo de curiosos e para evitar que a cena possa se repetir.

"Eu resgato jiboias em rodovias e o cenário de atropelamento é diferente. Em geral, o corpo animal fica muito danificado. O que não parece ter acontecido aqui. Pelo estado de decomposição do animal ele pode ter sido morto há mais de dois dias", finalizou.

Você pode receber direto no seu WhatsApp as principais notícias do CidadeVerde.com
Siga nas redes sociais