Cidadeverde.com
Esporte

Folha repercute: CBF vira alvo no Piauí da Assembleia Legislativa

Imprimir

O portal de notícias do jornal Folha de S. Paulo publicou uma matéria nesta quinta-feira(14) sobre o "boicote" da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) à Federação Piauiense de Futebol (FPF). O caso será discutido em audiência pública na Assembleia Legislativa.

Confira a matéria na íntegra:

A Assembleia Legislativa do Piauí aprovou a realização de uma audiência pública, na próxima segunda-feira, a partir das 9 horas, sobre a "inconstitucionalidade do boicote da CBF à nova diretoria da federação de futebol do nosso Estado".

No último dia 6, a entidade nacional decidiu afastar a piauiense de seus quadros, proibindo os times locais de participar de competições da confederação e até mesmo de contratar jogadores vinculados a outras federações pelo Brasil.

"A CBF é tratada sob segredo de Estado, a sete chaves, sem nenhuma transparência, apesar de toda a fortaleza que ela representa no mundo do futebol", disse o deputado estadual Marden Menezes (PSDB) durante sessão nesta quarta-feira.

A entidade que controla o futebol do país alega que o presidente Cesarino Oliveira assumiu a FFPI em janeiro, amparado na Justiça comum, antes que o caso tivesse sido esgotado nas esferas esportivas --o que não é permitido pela Fifa.

A polêmica aconteceu porque o candidato Joaquim Lula Ferreira, embora vencedor por um voto da eleição feita em dezembro, foi considerado irregular pelo Poder Judiciário do Piauí sob acusação de estar inadimplente com a prestação de contas dos exercícios de 2008, 2009 e 2010, além de contribuições ao INSS. Ele estava no poder havia 18 anos e é genro de Alfredo Nunes, vice-presidente da CBF em parte da gestão de Ricardo Teixeira.

Responsável por propor a audiência, a deputada Flora Izabel (PT) citou artigo da Constituição Federal que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos para justificar o pleito. "É legítimo que a federação recorra à Justiça quando se sente atingida no seu direito", afirmou. Em seu site, a FFPI questiona: "O acesso à Justiça é crime?"

Para o evento, serão convidados representantes da entidade, da CBF, do Tribunal de Justiça-PI, dos clubes, juristas, deputados federais, senadores, entre outros.

Devido ao boicote, o Piauiense-2011 começou no domingo passado já sem dois de seus integrantes. A situação fez com que as empresas que bancariam o 4 de Julho e o Cori-Sabbá desistissem de patrociná-los, deixando o torneio só com oito equipes.


Fonte: Folha Online

Imprimir