Cidadeverde.com
Geral

Reunião fracassa e comerciários e lojistas tentam novo acordo na 6ª

Imprimir
Atualizada às 17h18

Representantes de seis sindicatos patronais e do Sindicato dos Comerciários de Teresina se reuniram na tarde desta quarta-feira (27) no Ministério Público do Trabalho para tentar evitar a greve da categoria, prevista para a próxima segunda-feira (1º). A tentativa de acordo foi solicitada pelo Sindicato dos Lojistas e é a primeira depois do tumulto na manhã de hoje nas ruas do Centro, com manifestantes fechando lojas. Não houve entendimento e um novo encontro foi marcado para a tarde de sexta-feira (29).

Thiago Amaral/Cidadeverde.com

Matéria relacionada

Em uma sala apertada, dirigentes dos sindicatos discutiram a pauta de reivindicações. O deputado estadual Cícero Magalhães (PT) também participou do encontro. Do lado de fora, manifestantes usaram carro de som e faixas para protestar por melhores salários. Uma faixa trazia a frase "74,33% dos comerciários se sentem explorados".

O clima da reunião ficou quente quando Gilberto Paixão, diretor do Sindicato dos Comerciários, acusou os lojistas de não cumprirem sua palavra. Os ânimos se exaltaram. Uma advogada dos lojistas disse que os trabalhadores não tentam negociar, e sim impor sua vontade. 


A negociação
Desde 1º de janeiro, os comerciários recebem vencimento base de R$ 596,64. Segundo a categoria, as comissões são calculadas em cima do valor de R$ 580. Eles querem aumento para R$ 642 imediato e R$ 660 a partir de janeiro de 2012, além de diárias aos domingos de R$ 30 como valor indenizatório.

Os comerciários também cobram liberdade para dirigentes sindicais, fiscalização dos horários de trabalho na periferia (onde não estaria havendo pagamento de horas extras nos finais de semana) e a implantação de banheiros e locais de alimentação específicos para os trabalhadores nos shoppings. 

Estiveram presentes representantes dos sindicatos dos lojistas, farmacêuticos, atacadistas, varejistas, lotéricos e carnes frescas - supermercados já haviam fechado acordo. A primeira proposta dos patrões foi de R$ 628 e durante a reunião passou para R$ 635, aumento de 8%. Eles também oferecem diárias de R$ 26 aos domingos como valor salarial. 

Pela manhã, manifestantes fecharam lojas do Centro

Jordana Cury (flash do MPT/PI)
Fábio Lima (da Redação)
Imprimir