Cidadeverde.com
Geral

Mãe de Jivago depõe no MPE; Advogado critica Eliardo Cabral

Imprimir

O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro  veio de Brasília para assumir a defesa do engenheiro Jivago Castro no Caso Fernanda Lages. Em entrevista ao Notícia da Manhã desta sexta (21), Antonio Carlos confirmou que acompanha, nesta manhã, a mãe do engenheiro, Bizet Castro, ao Ministério Público. Ela prestará depoimento aos promotores Eliardo Cabral e Ubiraci Rocha, assim como aconteceu com a namorada, Valéria Macedo, ontem.





Antonio Carlos explicou que, inicialmente, foi contratado para abrir processo contra o jornalista Arimatéia Azevedo. Porém, com a grande comoção social que o caso vem tendo, assumiu também o acompanhamento do inquérito.


"Esse caso tomou dimensão inacreditável. É claro que Jivago não tem nenhuma relação. Através de notas maldosas [na impresa] criou-se uma avalanche de notícias contra Jivago", declarou.





E condenou a postura do Ministério Público em abrir uma investigação paralela a da polícia, além de "expor a vida" de Fernanda.


"Nós fomos surpreendidos agora com o Ministério Público fazendo investigação paralela. Isso é grave. Na minha opinião é uma ilegalidade e esse tipo de ato está até em discussão no STF. Eu até entendo que acompanhe a investigação, mas investigação paralela é ilegal. Um membro do MPE disse que não vai aceitar qualquer que seja a conclusão da polícia. É inadmissível a polícia estar fazendo um trabalho técnico e está sendo colocado em xeque antes de terminar o inquérito. Mais do que a família de Jivago, a família dessa moça vem sofrendo com essa infelicidade dessa pessoa do Ministério Público estar cometendo essa falta de respeito em estar falando em orgia", declarou.





Sobre o por quê de a investigação do MPE ter iniciado com depoimentos de pessoas da família do engenheiro, o advogado diz que não tem ideia, mas que confia na honestidade das afirmações de Jivago de que nada tem a ver com o caso.


"Ele tem a tranquilidade pelo fato de saber que é inocente, mas também o sentimento de indignação de ter sido envolvido", finalizou.



Leilane Nunes
[email protected]

Imprimir