Cidadeverde.com

Navio da Marinha não encontra manchas de óleo na superfície do mar

  • navio-guanabara3.jpg Capitania dos Portos do Piauí
  • navio-guanabara2.jpg Capitania dos Portos do Piauí
  • navio-guanabara1.jpg Capitania dos Portos do Piauí
  • navio-guanabara.jpg Capitania dos Portos do Piauí
  • Untitled-8.jpg Romero Holanda e Clebson Lustosa/TV Cidade Verde
  • Untitled-7.jpg Romero Holanda e Clebson Lustosa/TV Cidade Verde
  • Untitled-6.jpg Romero Holanda e Clebson Lustosa/TV Cidade Verde
  • Untitled-5.jpg Romero Holanda e Clebson Lustosa/TV Cidade Verde
  • Untitled-4.jpg Romero Holanda e Clebson Lustosa/TV Cidade Verde
  • Untitled-1.jpg Romero Holanda e Clebson Lustosa/TV Cidade Verde

O navio Guanabara, que partiu na manhã de ontem para patrulhar o litoral do Piauí, não encontrou vestígios de óleo na superfície do mar. A embarcação tinha abordo, além dos fuzileiros navais, técnicos da Secretaria estadual do Meio Ambiente e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). 

“O navio fez ontem durante todo o dia e noite e hoje também, levantamento do nosso litoral, realizando manobras de zigue-zague procurando por manchas de óleo e nada foi encontrado”, disse ao Cidadeverde.com, o comandante da Capitania dos Portos do Piauí, capitão Benjamin Dante Lima.

Segundo ele, o monitoramento do navio bate com o que foi feito por um helicóptero nos últimos dias. “Isso corrobora o que foi avaliado pela aeronave que estava com um representante do ICMBIo a bordo, e não detectou óleo na superfície do mar”, afirmou.

Ainda de acordo com o comandante, o navio suspendeu hoje o monitoramento no Piauí e passar agora a patrulhar áreas entre o Piauí e Maranhão.

“Ele permanece fazendo o monitoramento entre o Maranhão e o Piauí, depois ele precisa abastecer de gêneros, combustíveis e depois retorna para a nossa área. Cada navio tem a sua autonomia e ele já estava há um tempo fazendo essa patrulha”, explica.

Emergência

A vice-governadora Regina Sousa e o secretário de Defesa Civil, Geraldo Magela, aguardam relatório da Marinha sobre a situação das manchas de óleo no litoral do Piauí para decretar estado de emergência. O decreto deve beneficiar os municípios do litoral com foco no Delta do Parnaíba. 

Praias

Desde o início do aparecimento das manchas de óleo já foram retiradas mais de três toneladas de material das praias piauienses. Em setembro, sete praias foram afetadas, mas nenhuma foi considerada imprópria, já neste reaparecimento, que começou na quinta, das cinco afetadas, três estão impróprias para o banho. São elas:  Atalaia e Peito de Moça, em Luís Correia, e Pedra do Sal em Parnaíba.

Delta do Parnaíba

Já são sete áreas do Delta afetadas pelo petróleo cru. Das 70 ilhas e praias do Delta, a Marinha localizou vestígios de óleos nas localidades das Ilhas das Canárias, Poldros, do Caju, nas praias do Pontal, de Caiçaras e Barra das Melancieiras.

Hérlon Moraes
[email protected]