Cidadeverde.com

Sete são presos suspeitos de estouro de caixas eletrônicos no Piauí

  • armas.jpg
  • bopee.jpg
  • bope.jpg
  • ab6e915d-f64f-42b2-b240-868f796aaf20.jpg

Uma quadrilha especializada em estouro de caixas eletrônicos foi presa durante operação no litoral piauiense. Sete suspeitos foram capturados, além de armas de fogo e material utilizado nos assaltos a  banco. 

Aos suspeitos foram atribuídos crimes ocorridos em Parnaíba, Luís Correia e Teresina, entre estes, a explosão que ocorreu no colégio Dom Barreto, no mês de novembro.

"Confirmamos a presença dessa quadrilha no estouro na rodoviária de Parnaíba, na Praia do Coqueiro e Banco do Brasil, ambos em Luís Correia. A participação deles também era muito forte em Teresina. Temos a certeza da atuação no Colégio Dom Barreto, no Detran e na Ufpi, na Capital. O objetivo deles era retornar para estourar o caixa eletrônica da Ufpi", disse Fábio Abreu, secretário de Segurança do Piauí.

Foram apreendidos seis pistolas, seis coletes,dois revólveres e um rifle. A operação foi coordenada pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) e Diretoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí. 

Os suspeitos foram identificados como José Ribamar Santos e Sousa, Kaique dos Prazeres Mesquita, Vilto Vinicius de Sousa Melo, Francisco Carlos Mesquita Neto, Reinaldo Oliveira Ferreira, Nathan Sampaio Lira e Márcio Geovani de Sousa Lima. 

O secretário explica que as explosões a caixas eletrônicos eram aleatórias e o bando recrutava jovens para a prática criminosa, inclusive, sem experiência. 

"Eles estavam agindo de forma aleatória tanto que não haviam saído de Parnaíba e o objetivo era tentar estourar outro caixa para conseguir lucro. O material usado nas ações, geralmente, era artesanal. Eles não usavam explosivos industriais. A maioria dos estouros de caixas eletrônicos era praticado por essa quadrilha. Contudo, não vamos parar. Continuamos caçando o restante dessa quadrilha e  de outras também", disse Abreu. 


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com