Cidadeverde.com
Política

Lula e Dilma reinauguram transposição do São Francisco

Imprimir

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarcou no sertão da Paraíba, onde fez uma inauguração popular da Transposição do Rio São Francisco, principal legado de seu governo na região. Lula esteve acompanhado da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e do governador do estado Ricardo Coutinho (PSB). Uma multidão acompanhou o petista no evento, realizado na tarde deste domingo. A primeira parada foi no Eixo Leste, no município de Monteiro. Oito caravanas de oito estados do Nordeste participam. Na tarde deste domingo (19), Lula e Dilma entraram nas águas.

O ato deste domingo na cidade paraibana de Monteiro poderá ser o pontapé para a pré-candidatura do petista à presidência em 2018. A agenda do líder máximo do PT contará com a presença de aliados, incluindo a ex-presidente Dilma Rousseff. Representantes pernambucanos da sigla, a exemplo do senador Humberto Costa, do presidente do partido no estado, Bruno Ribeiro, do ex-prefeito do Recife, João Paulo, entre outros, também estarão presentes. %u201CPara nós é muito importante que ele circule o país, porque é parte do que temos denunciado: no tempo em que ele era governo, houve um ciclo de mudanças, porque pessoas e regiões mais pobres foram incluídas no orçamento%u201D, afirmou Bruno. 

Mas o fato é que Lula não goza do mesmo prestígio de outrora, apesar de liderar as pesquisas de intenção de voto. O desgaste da imagem do partido e do próprio político, devido aos desdobramentos da operação Lava-Jato e do impeachment de Dilma, podem atrapalhar os planos de voltar ao poder. "Ele está colocando o bloco na rua para ver a temperatura nas ruas e saber se verdadeiramente houve perda de densidade eleitoral. A intenção é saber a resposta social", analisou o cientista político da Universidade Católica de Pernambuco, Thales Castro. De acordo com ele, é comum os atores políticos fazerem essas movimentações com uma certa antecedência das eleições. "Inclusive, a pré-candidatura dele pode ser reconsiderada, já que não sabemos quais os impactos que a Lava-Jato vai causar nos próximos meses", ponderou.

Fonte: Diário de Pernambuco

Imprimir