Cidadeverde.com
Últimas

Estudantes da Ufpi relatam tentativa de estupro, desta vez, dentro de ônibus

Imprimir
  • vilma-alves.jpg Maria Romero/Cidadeverde.com
  • f38a26ee-7dec-456b-8dac-55e686936044.jpg Maria Romero/Cidadeverde.com
  • c90efc67-a342-476a-a594-d0f3b787992d.jpg Maria Romero/Cidadeverde.com
  • 5f7a0345-30a5-49ba-88c6-9773a86f8997.jpg Maria Romero/Cidadeverde.com
  • 4e5b910d-7efa-4304-aaed-c72f8d829178.jpg Maria Romero/Cidadeverde.com

A delegada titular da Delegacia da Mulher do Centro, Vilma Alves, informou nesta quinta-feira(18) que já recebeu denúncia de duas vítimas de tentativa de estupro nas paradas de ônibus e dentro dos coletivos que circulam na Universidade Federal do Piauí (Ufpi). Um retrato falado do suspeito está sendo produzido. Este é a segunda denúncia de abuso sexual envolvendo alunas da UFPI. Ontem (17), estudantes de História denunciaram um monitor do curso.

A delegada disse que o relato das vítimas é bastante semelhante e o suspeito age como se conhecesse a vítima. “O rapaz fica nas paradas de ônibus da Universidade observando a movimentação e quando as estudantes entram no ônibus, ele entra junto e age como se fosse um namorado ou alguém próximo. E as acompanha até as praças do Centro de Teresina”, relatou Vilma Alves.

Ela informou que durante o trajeto, segundo relato das denunciantes, o homem realiza toques no corpo das estudantes, em geral, nas pernas e nos seios. Ainda não há detalhes sobre as características físicas do suspeito, mas as vítimas estão ajudando na produção de um retrato falado. 

Vilma Alves faz um apelo para que a segurança seja reforçada no campus, nas praças do Centro de Teresina e que sejam instaladas mais câmeras de monitoramento no Centro, porque o suspeito e outros criminosos costumam abordar mulheres nos pontos de ônibus. 

“Há muito mato na universidade, isso favorece os estupradores, homens que acham que podem invadir a liberdade e a intimidade da mulher. As moças que chegaram aqui estão muito abaladas, com medo de encontrar com ele novamente. Nenhuma mulher pode ter medo de ser livre”, disse a delegada da Mulher. 

Ela ainda destacou que se identificado, o homem pode responder por tentativa de estupro. 

No Facebook

Recentemente, uma estudante da UFPI fez relato de uma abordagem parecida, ao deixar a Universidade, ela tomou o segundo ônibus na praça do Fripisa, no coletivo ela conta que foi assediada. 


 

Segurança da UFPI

O chefe da segurança da Universidade Federal do Piauí (UFPI), José Ribamar Silva, explicou que as alunas que se sentirem intimidadas no espaço da instituição podem acionar a segurança pelo telefone 3215-5591.

Ele garantiu que há sete motocicletas e duas viaturas prontas para atender a comunidade acadêmica. Há ainda um total de 190 homens distribuídos por todo o campus além de 55 câmeras de monitoramento. 

“No espaço das paradas de ônibus é onde temos o maior número de ocorrências, por isso tiramos homens dos corredores e deslocamos para esses pontos vulneráveis. Porém, infelizmente depois que um suspeito sobe no ônibus fica difícil identificar. Além disso, a maioria deles se passa facilmente por estudante, não há um comportamento suspeito. Então as alunas precisam denunciar”, orientou José Ribamar.

 

Flash Maria Romero
Redação Caroline Oliveira
redacao@cidadeverde.com

Imprimir