Cidadeverde.com

HEMOPI intensifica coleta de sangue e cadastro de medula óssea em Bom Jesus

Despertar a solidariedade em todas as partes do Piauí. É com esse propósito que o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (HEMOPI) promove a "Caravana do Bem", de 21 a 24 de julho, nos municípios de Cristino Castro, Currais, Santa Luz, Palmeira do Piauí e Bom Jesus. A ação objetiva motivar os piauienses a doar sangue e se cadastrar no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME).

“O Hemopi tem se mobilizado para encontrar mais doadores compatíveis. De janeiro a julho, foram mais de 3.000 novos cadastros realizados. Com uma unidade móvel e nossas equipes de apoio, o hemocentro tem procurado chegar o mais perto possível do cotidiano das pessoas”, frisou o diretor do HEMOPI, Jurandir Martins.

No território Chapada das Mangabeiras, a ação iniciou hoje, 21, no município de Currais e segue até o dia 24, encerrando em Bom Jesus, no Hospital Regional Manoel de Sousa Santos, na Regional de Saúde e na Câmara Municipal, durante todo o dia.

“Estamos priorizando as regiões onde há mais pacientes na fila de espera para o transplante de medula óssea, considerando que é mais fácil encontrar pessoas compatíveis nos aparentados, ou seja, o que se pressupõe é que tenhamos maior probabilidade de encontrar um doador no seu local de origem, nas suas raízes familiares”, explicou Veronésia Rosal, gerente de Hemorrede do Hemopi.

Além do cadastro no REDOME, um sistema criado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) para registrar as informações de possíveis doadores de medula óssea, a ação pretende aumentar a coleta de sangue para abastecer as agências transfusionais daquela região.

O Hemopi já percorreu mais de 10 municípios com a caravana do bem, entre eles Beneditinos, Valença, Novo Santo Antônio, Palmeirais, Barras, Matias Olímpio, Luiz Correia, Alto Longá, Piripiri e Piracuruca. Outros municípios também receberam a caravana até o final do ano. “O Hemopi se mobiliza para ter maior numero de doadores cadastrados para medula óssea, assim como aumentar o estoque de sangue nas agências”, concluiu Veronésia.

Da Editoria de Cidades
cidades@cidadeverde.com