Cidadeverde.com

Sem exame de DNA, juiz adia sentença sobre estupro coletivo em Bom Jesus

Após ouvir testemunhas de acusação e de defesa, o juiz de Bom Jesus, Heliomar Rios Ferreira decidiu nesta terça-feira (12) adiar a sentença contra os quatros adolescentes suspeitos de estupro coletivo na cidade.

Hoje, após 4 horas de audiência de instrução e julgamento, encerrando por volta das 15h30, o juiz anunciou que aguardará o resultado do exame de DNA para sentenciar os envolvidos.

O material foi colhido e enviado a um laboratório da Paraíba. Não tem prazo de quando sairá o resultado. 

Cerca de oito pessoas foram ouvidas hoje no fórum de Bom Jesus. A primeira a prestar depoimento foi à vítima, a jovem de 17 anos. Ela reafirmou que não lembra do que aconteceu, pois estava em coma alcoólico. No dia 20 de maio, a adolescente foi encontrada seminua e amordaçada em uma obra em construção no Centro da cidade.

Além da vítima foram ouvidos Roberto Silva de Sousa, de 18 anos, o policial que fez o atendimento, psicólogos, médicos peritos e duas pessoas que socorreram a vítima.

“Não foi anunciada nenhuma decisão, pois o juiz vai aguardar o resultado do DNA”, informou Osório Filho, que defende dois adolescentes.

Durante a audiência, Osório Filho requereu um laudo com base em depoimento do maior. Ao falar para o juiz, o rapaz informou que durante o crime a vítima teria mordido a parte íntima de um dos menores. Segundo o advogado, o exame foi feito e deu negativo.

O advogado esclareceu ainda que os menores não negaram a realização do exame de DNA. Segundo ele, não havia informação sobre o motivo da mudança de Pernambuco para a Paraíba realizar os testes, mas após esclarecimento foi consentido à retirada do material.

Com o resultado do DNA em mãos, o juiz dará prazo para a acusação e defesa apresentarem suas alegações. Em seguida dará uma sentença condenatória ou inocentando os adolescentes.

 

Atualizada às 13h01

O julgamento do estupro coletivo contra a jovem de 17 anos em Bom Jesus segue sem o resultado do exame de DNA, teste que ajudará na confirmação do crime. 

Na última audiência, os quatro adolescentes suspeitos de participação no crime, autorizaram a realização do exame, no entanto, voltaram atrás e negaram o teste.

Diante da resistência, o juiz Heliomar Rios ordenou que o exame seja feito. A polícia já coletou o material e encaminhou para laboratório em Parnaíba.

 

Atualizada às 10h

O juiz de Bom Jesus, Heliomar Rios Ferreira iniciou por volta das 9h30 desta terça-feira (12) a audiência de instrução e julgamento do caso do estupro coletivo contra uma jovem de 17 anos. 

Durante o julgamento, o juiz e o promotor de justiça, Eduardo Palácio, ouvirá pela primeira vez a vítima. A jovem prestará depoimento em local separado dentro do fórum da cidade. Ela está acompanha da tia e da advogada.

Os quatros adolescentes suspeito do estupro também se encontram no fórum para participar do julgamento.

Durante a audiência, serão ouvidas as testemunhas do Ministério Público e da defesa. 

No último dia 20 de maio deste ano, a jovem foi encontrada amordaçada e com a boca cheia de pedaços de isopor para evitar que gritasse por socorro. Ela estava no chão em uma obra em construção no Centro da cidade. Seu pescoço estava mordido e amarrado com a própria roupa. Havia lesões nas mãos, cotovelos e costas. Ela foi socorrida por uma pessoa que morava próximo e levada desacordada para o Hospital da cidade.

Os detalhes do crime ela não lembra, tudo aconteceu com a vítima desmaiada. O relato acima é feito pela polícia após colher depoimentos da equipe médica, que atendeu a jovem, e do rapaz que a encontrou no dia do crime.

Todos foram chamados para prestarem depoimentos em juízo.

Aguarde mais informações

 

Flash Yala Sena
yalasena@cidadeverde.com