Cidadeverde.com

Polícia localiza veículo de comunidade terapêutica com presidiária

  • 20160109035103.jpg Cidadeverde.com
  • 12512797_1121839124493343_355298640766702034_n.jpg Cidadeverde.com
  • 10653423_1121839211160001_3600606848738474732_n.jpg Cidadeverde.com
  • 1913891_1121839231159999_4868243788304316082_n.jpg Cidadeverde.com
  • 71844_1121839184493337_14023955523528855_n.jpg Cidadeverde.com

Policiais da Força Tática de Campo Maior localizaram e devolveram o veículo da comunidade terapêutica Casa do Oleiro, zona Sudeste de Teresina. O veículo modelo Frontier de placa NXA 5443, estava com o casal identificado pela Polícia como José Reinaldo da Silva e Ingrid Leal.

Ingrid já é condenada pela Justiça por roubo e receptação e estava usando uma tornozeleira eletrônica no momento da prisão.  Com o casal, foi encontrada uma pequena quantidade de maconha no veículo. Os dois foram levados para a delegacia de Campo Maior onde foram autuados.

Entenda o caso

O veículo de uso da comunidade terapêutica Casa do Oleiro, na zona Sudeste de Teresina foi roubado na noite desta sexta-feira (08), prejudicando assim os trabalhos do local que atende centenas de ex-usuários de drogas em reabilitação. De acordo com o pastor José Gouveira, presidente da instituição, o veículo foi roubado por volta das 22h quando uma das diretoras da casa comprava uma pizza no bairro Alto da Ressureição. O carro, modelo Frontier, de placa NXA 5443 foi doado por um voluntário da casa.

"Uma das diretoras da casa saiu do sítio de acolhimento e veio no bairro comprar uma pizza. Quando ela saía, minha filha de 10 anos e meu filho de 18 foram em direção ao carro e a pessoa colocou a arma na cabeça da diretora que havia entrado. Minha filha começou a gritar e ele ameaçou muito a criança. Enquando ele ameaçava ele empurrou a pastora para o banco do passageiro e ela conseguiu abrir a porta e cair para fora. Minha filha gritou muito e ele a empurrou também e arrancou", descreveu o presidente.

As câmeras de segurança de uma distribuidora de remédios ao lado do local, podem ter registrado o momento do assalto, mas segundo o presidente, o proprietário ainda não foi localizado. "Meu filho afirmou que ele era moreno, estava de blusa vermelha e calça jeans e ele não tinha aparência de usuário de drogas. Não estava tão alterado e só ameaçou a criança porque ela se descontrolou", acrescentou o presidente.

Rayldo Pereira
rayldopereira@cidadeverde.com