Cidadeverde.com

Incêndio destrói berçário de garças e preocupa ambientalistas

Um incêndio que destruiu um ninhal de garças tem sido alvo de preocupação para ambientalistas da região de Campo Maior, município a 78 km de Teresina. O terreno, tido como um berçário da espécie pegou fogo no último sábado (16) e foi completamente destruído afastando os animais que costumavam se dirigir até o local.

O consultor ambiental Diego Chaves analisa que há indícios de incêndio criminoso por conta de manchas brancas que indicam que madeiras  foram deixadas no local. Ele sugere que haja uma parceria entere o poder público e o dono do imóvel  para transformar o local em área de preservação ambiental.

"Por mais que se cometa esse crime ambiental as garças voltam para cá. Elas estabeleceram o seu ninhal aqui nesse local então o poder público tem que ver com certa urgência uma parceria entre o proprietário do terreno e poder público para a regulamentação dessa unidade", afirmou Diego.

O terreno fica na entrada da zona Urbana de Campo Maior e era conhecido pelo movimento de aves migratórias. O ninhal é constantemente agredido e já pegou fogo pelo menos cinco vezes. O professor Cinéas Santos, apresentador do programa Feito em Casa, foi até lá registrar a indignação dos Campomaiorenses. "Nós articulamos junto ao poder executivo, colocando a importância dessa área que tem um potencial além da questão ambiental a questão turística. Não é a primeira vez que acontece esse tipo de ação e a Secretaria do Meio-Ambiente deveria estar aí ajudando a preservar essa área", afirma Fernando Miranda, presidente da Câmara de Vereadores de Campo Maior.

Secretaria adota medidas

Procurada pelo Cidadeverde.com a secretária do Meio Ambiente de Campo Maior, Conceição Paz, afirma que o terreno é particular, por tanto não há projeto da prefeitura para atuação na áres, porém segundo ela, devido a sua relevância ambiental, a prefeitura irá apresentar uma proposta para a Câmara dos Vereadores para propor uma negociação com o proprietário.

"Nós fomos observar o local após o incêndio e detectamos que usuários de drogas faziam um forninho em uma pedra para o uso de Crack, o que pode ter provocado as chamas. Não foi o proprietário que quis fazer isso. Em todo canto nesta época acontecem queimadas. Vamos pedir para os vereadores que façam um projeto para criar essa área de preservação e negociar junto ao proprietário", conclui a secretária.

Rayldo Pereira (Da Redação)
Com informações de Cinéas Santos (TV Cidade Verde)
rayldopereira@cidadeverde.com