Cidadeverde.com

A domesticação de raposas está associada a genes que regulam sua memória

Os cães são animais mais do que especiais. Ano passado fiz um post falando da descoberta dos genes da amabilidade em cães. Estes genes seriam uma variação não presente em animais como lobos, que pertencem a mesma família do “Melhor Amigo do Homem”. Relembre o post pelo link https://cidadeverde.com/cienciaviva/85633/genetica-explica-comportamento-amavel-do-melhor-amigo-do-homem.

No início deste mês, cientistas da Universidade de Illinois publicaram um trabalho sobre genes relacionados à amabilidade em raposas, primas dos cães e lobos. O estudo conduzido pela pesquisadora russa Anna Kukekova focou-se nas raposas prateadas da Sibéria.

Kukekova trabalhou com a continuidade dos experimentos iniciados da década de 1950 que cruzavam exemplares de raposas prateadas selvagens e que obtiveram, por volta da sua oitava geração, animais totalmente dóceis, que buscavam a companhia humana e não atacava em nenhuma hipótese, tal qual os cães criados em igual circunstância.

Sua equipe selecionou um conjunto de 103 regiões genéticas das quais 45 eram bem similares à sequências encontradas em cães e já relacionadas com o processo de domesticação, além de 30 outras sequências já identificadas como relacionadas ao comportamento inerente das próprias raposas.

Os cientistas destacaram a existência do gene SorCS1, que ajuda a transportar proteínas envolvidas na sinalização do sistema nervoso e na formação de sinapses, auxiliando na formação e aprendizado da memória. Para testar o efeito deste gene no comportamento, a equipe mediu como quase 1600 raposas mansas e agressivas responderam aos observadores humanos. A coleta desses dados levou 6 anos. Quando os pesquisadores finalmente analisaram os dados, eles descobriram que o comportamento das raposas poderia ser consistentemente ligado a qualquer versão do gene SorCS1 que carregassem.

O vídeo a seguir mostra o grau de amabilidade destes animais, que lembram muito os cães.

A descoberta abre uma série de questionamentos sobre o tema, mas de certa forma esclarece porque não há reversibilidade das características: os cães não ficam selvagens de repente se não nascerem em torno dos humanos.

Até a próxima...