Cidadeverde.com
Cidades

Túmulos do século XIX são achados em reforma da igreja de União

Imprimir

O que começou como uma simples troca de piso da igreja de Nossa Senhora dos Remédios, se tornou uma descoberta histórica para o município de União, a 59 km de Teresina. Tudo porque durante a obra foram encontrados dois túmulos do século XIX logo abaixo do altar da igreja. Tratam-se das lápides de dois irmãos da família Lobão, Scipião Carvalho Lobão (1838 – 1864) e Antonio Jozé de Lobão (1842 – 1864) e do primeiro pároco da Freguesia de Nossa Senhora dos Remédios (1853), padre Simpliciano Barboza Ferreira (1828 - 1886).

Fotos:  Zé Raimundo Sousa

De acordo com o pároco do município, Ângelo Marques de Sousa, a reforma começou no dia dia 15, mas na terça-feira (23) teve que parar por conta da descoberta. "O arquiteto me ligou falando do achado e logo fui até lá. Estamos agora reunidos para saber como proceder com a descoberta", explicou o padre.

Ângelo Marques está em Teresina, onde  se reúne com membros da arquidiocese para tomar as medidas legais em relação a descoberta. O padre reforça, que o objetivo da igreja é preservar os túmulos. "Sabemos que a igreja não é tombada nem a nível municipal nem estadual e vamos decidir como conduzir isso. Sabemos que é uma questão histórica e cultural e que temos que preservar. Estamos reunidos para decidir se será feito um memorial em uma das naves da igreja, ou se os túmulos permanecerão no mesmo local. Pela idade que eles tem, sabemos que não há mais restos mortas", acrescentou o pároco.


Igreja de Nossa Senhora dos Remédios

Por conta das descobertas o trecho onde foram encontradas as lápides foi isolado, e o arquiteto responsável pela obra está cuidando de novas escavações a procura de novos achados no mesmo espaço da igreja.

Pesquisa histórica

Padre Ângelo, acrescentou ao Cidadeverde.com que a Arquidiocese pretende levantar todo o histórico do padre que teve o túmulo encontrado. Segundo ele, por ser o primeiro pároco, ele foi de grande importância para o estabalecimento da igreja na região. "Vamos descobrir quem é esse padre. Não sabemos se na época ele já pertencia a diocese do Piauí, ou era ligada ao Maranhão. Já entrei com um pedido de licença para mexer nos arquivos e descobrir quem foi esse padre", acrescentou o pároco.

Entre as descobertas também estão um pedaço do piso original da igreja, que segundo o padre deve ser preservado. "Queremos ressaltar que a descoberta traz para a igreja um compromisso de conservação e estamos estudando como fazer isso, ou deixando lá , ou transferindo para uma das naves dentro da igreja. Iremos analisar qual o melhor lugar - é importante a história do primeiro vigário da paróquia e tem que ter um lugar de destaque", concluiu o padre.

Rayldo Pereira
[email protected]

Imprimir